quarta-feira, abril 26, 2006

(Mudanças) AVATARA

(...) Era espantosa a sua capacidade de mudar, de se transformar, de se redescrever. A vida nele tinha vários sentidos e direcções, todas elas faziam parte de uma realidade, que tomava bifurcações meio estranhas.
A sua cabeça espartilhava-se, redobrava-se, fazia filmes.
O seu corpo mudava, a sua alma crescia, a sua preciosa vida, não era mais que isso mesmo, um conto, ou vários contos.
(...) Na sua secretária tentava escrevinhar qualquer coisa, sobre o que acontecia sobre o que via. Por ali nada mais que um ou outro casulo de uns animaizinhos que se acumulavam por ali, não sei ao certo, se seriam larvas de... não sei mesmo porque as aranhas não se transformavam. As aranhas essas sim eram uma excelente companhia, gostava de as observar, fascinava-me ver como elas produziam aqueles fios, por onde desciam, a uma velocidade estonteante, fascinava-me ver como aquilo acontecia, mas a verdade é que nunca conseguia ver nada. Os meus olhos acabavam por vidrar, desfocavam e entrava em processo de imaginar coisas,de imaginação extasiante, como: uma aranha enorme que andava por ai e fazia mal a todas as pessoas que eu não gosto e depois aparecia eu para os salvar.
Os seus pensamentos, eram muitas vezes despropositados, pensava sempre que era um super herói, que salvava toda a gente, quando afinal ele é que precisava de ser salvo.




Eram pensamentos, que se transformavam em realidades, que pareciam mais virtuais do que afinal eram. Complicada esta linha de pensamento, mas nem por isso os filmes, as comédias, os dramas, as ficções, mudavam, eram pequenas mutações na sua cabeça, mas também na sua vida a sua personalidade ia-se toldando conforme assumia a sua nova personagem. Era uma mistura de sensações, não sabia grande parte das vezes porque lhe aconteciam coisas estranhas, como acordava, em sítios completamente disparatados e nem sempre dentro dos parâmetros normais.
Gostava de olhar com olhos de animais, geralmente só via a duas dimensões, a preto e branco, tudo desfocado, mas era essa a imagem que tinha da vida do que o rodeava do que andava lá fora. Gostava de ver as pessoas desfocadas e ouvir as suas palavras empasteladas muito devagar.. como se fosse uma gravação avariada... ou em rotações erradas. As pessoas tinham-no magoado muito, por isso refugiava-se por ali, nos seus momentos, nas suas metamorfoses, eram gritos de revolta, que os transferia para o papel, para a sua tela imaginária, pinturas que ganhavam formas, cores e por vezes, grande parte das vezes vida. Era absurdo mas ao mesmo tempo fantástico, aquelas sensações, aquelas viagens alucinantes, aquelas amizades que fazia com a sua própria imaginação.
Gostava de ver os bichos de contas, com as suas múltiplas patas, que se fechavam neles próprios. Imaginava-os uma enorme avalanche, via-os a rolar, por um sitio qualquer...a crescer, a crescer, a ficar uma enorme bola cinzenta, grande, grande mesmo de meter medo. Depois abrir-se e com aquela panóplia de patas, começar a esmagar tudo e todos a sua volta...
Mas afinal, não passava de um pequeno bicharoco que brincava com a ponta da caneta em cima da secretária... de um lado para o outro.
Adorava ver aquela borbeletixas, que voam a volta das lâmpadas, para mim passavam logo a grandes pássaros que vinham do espaço que esvoaçavam perto da lua e faziam voos picados até a terra, entravam a velocidades loucas dentro dos oceanos onde pescavam baleias... os seus dejectos destruíam parcialmente cidades, mas eram animais pacificos, que sabiam viver e não se deixavam abater.
(...) naquele dia, não sabia bem o que tinha acontecido, mas não foi simples de assimilar, sentia dores pelo corpo, e tinha a face com sangue, a face e não só, escorria-lhe ainda pelos canto da boca algo esquisito era um pedaço de ti.


Apeteceu-me



"As mudança repentinas, mais não são que um movimento na nossa vida" Charles de la Folie

14 comentários:

legivel disse...

... também já passei por uma fase dessas. A minha médica de família disse-me que o melhor era ir a banhos... no pico do Inverno. Safei-me do Júlio mas não fintei a pneumonia. Ainda cá mora a magana.

augustoM disse...

Depois de ler fiquei algum tempo a pensar no que escreveste, parecia-me familiar, depois verifiquei que me identificava com muito do escrevestes. Seria errado perguei a mim próprio, andarmos um bocado nas nuvens fantasiando a vida?
Um abraço. Augusto

Tatiana Valentina disse...

as mudanças são fundamentais à nossa vida, tudo é feito de mudanças...

≈♥ Nadir ♥≈ disse...

tenho estado um pouco ausente das visitas diárias, passei para te ler e deixar votos de um bom fim de semana

marakoka disse...

...então pq não fazes esse movimento?

jocas maradas de contos

O Restaurador disse...

I Encontro de Blogues de Vila Viçosa

Dia 22 de Julho venha até Vila Viçosa conviver com os seus amigos, traga a sua família, tenha a oportunidade de se maravilhar com a beleza de Vila Viçosa, passe um dia diferente no I Encontro de Blogues de Vila Viçosa!

Divulgue também o I Encontro de Blogues de Vila Viçosa, falando do mesmo no seu blogue, criando também um link. Pode criar um link personalizado, copiando o código do selo do I Encontro de Blogues de Vila Viçosa e colando-o no seu blogue.

Poderá obter mais informações em:

http://www.encontrodeblogues.pt.vu/
http://orestaurador.googlepages.com/home
http://orestauradordaindependencia.blogspot.com/
http://empregoalentejo.blogspot.com/
http://www.tabernainconformados.blogspot.com/
http://cidadela-dos-incultos.blogspot.com/
http://abata-afefe.blogspot.com/
http://quintoimperiodigital.blogspot.com/

Já somos 12 inscritos no I Encontro de Blogues de Vila Viçosa. Porque espera? Vamos descentralizar a blogosfera! Até Julho, em Vila Viçosa!

Miguel Girassol disse...

não posso ir mas gostava

Joao disse...

Passei só para te dar um abraço. (isto é uma espécie de autobiografia?)

{-Sutra-} disse...

Uma mente perdida em si mesma, na busca de um «eu» perdido e a mudança. Necessária. Urgente.

Gostei dos pêssegos. Ou da República. Pronto... da República dos Pêssegos... ;-)


Posso dar os parabéns pelo livro? :-)

Bj doce

Tia Concha disse...

Deixaste-me melancólica...

poca disse...

bem... apetece-me dizer tanta coisa que nem sei por onde começar...
obrigada por teres aparecido no meu cantinho... só assim, fiquei a conhecer o teu!
se gostas de escrever... não desistas... um dia vais conseguir editar os livros... será quando menos esperas... o que é que te falta?
em relação ao que escreveste propriamente dito... tenho medo de bichos... é uma coisa que me dá impressão, talvez por isso tenha achado fabulosa tamanha imaginação!!!
em relação às mudanças... vejo-as sempre como boas... por muito que não vejamos a validade delas no seu início... ou por muito que custem quando não somos nós a decidi-las...
acima de tudo a mim, o que me incomoda mais é a capacidade que os outros têm de mudar a nossa vida, sem nos perguntar opinião...
torna tudo muito mais frágil e fora de controle!!
vou indo... desculpa a invasão.

poca disse...

só mais uma coisa... portooooo!!
(inspirado na barra lateral... lol)

SEAMOON disse...

que supresa boa !! adorei mesmo este teu blog !!!a forma como escreves é brilhante...continua.
vou passar a visitar este cantinho.

bjs

Licínia Quitério disse...

Muito agradeço o convite mas, infelizmente, não me será possível comparecer ao lançamento. Desejo-lhe o maior êxito. É sempre um dia assinalável quando "damos à luz" um livro.
Abraço.
Licínia