quinta-feira, junho 08, 2006

OBRIGADO

(…) Estava prestes a entende-la, quando aconteceu algo terrivelmente inexplicável.
As palavras não conseguiam segurar aquele olhar que percorria os centímetros do seu espírito. Sentia-se o respirar, aquele forte respirar que vinha de dentro, de uma forma estupidamente controlada.



Não era certo que o que por ali acontecia tivesse uma razão, ou mesmo um sentido, era único e misterioso. Era por si só, como uma nota de música que existe mas ninguém conhece a sua causa, nem a sua origem.
Queria saber tudo. Tudo a que tinha direito, é sempre bom ter direito a alguma coisa.
Parecia uma eternidade, aquele espaço de tempo em que se fecha por momentos os olhos e se inspira uma lufada de ar, essa pequena zona de tempo era como uma enorme pradaria cheia de cores garridas, onde as nuvens são cor-de-rosa choc, as arvores verde alface e a relva cor de laranja. É nesse espaço de tempo que tudo acontece, em que as pinceladas de qualquer coisa se arrumam, numa qualquer tela da imaginação que se solta numa corrida desenfreada contra nada mesmo.
Estava prestes a acontecer, como sempre acontecia. Aquela era mais uma vez que isso ficava presente, a dificuldade é, ou era descobrir onde fica a realidade, se está presa a alguma coisa que se sustente ou se é mesmo a mais pura da imaginação, que produz aqueles laivos de luz que parecem existências intermitentes das realidades em quedas constantes.
Por momentos, estava ali sem saber se estava realmente. O barulho que saia de dentro daquele copo fazia pensar em mil “estórias” de encantar. Faltava ali algo naquele enorme puzzle, faltava qualquer coisa que se embrulhava, mas não havia como descobrir.



A aragem corria e com ela uma enorme chuva de folhas lilases, uma chuva de flores naquela tarde quase carnívora que teimava em consumir os nervos que se entranham no corpo. Estava pálido de medo, as palavras saíam absurdamente sem nexo.
Demora tempo a entender o tempo, os vários tempos, o tempo de saída, o tempo das coisas, as coisas do tempo e mais importante: - o tempo que nós temos em nós.
Ali estava sem controlo algum sobre as minhas pernas que tremiam perante aquele cenário quase impensável, que se desfocava em constantes sorrisos. A imagem parava, rodava aqueles corpos que me faziam tremer e ao mesmo tempo chorar de alegria.
Mais um apelo vindo daquele copo onde sobressaía o amarelo do limão. Um enorme trago em seco antes de o levantar, como que a saborear o vazio que se cortava naquela imensidão de qualquer coisa.
Aqueles olhares penetravam-me e assustavam-me, ao mesmo tempo que ia descobrindo o verdadeiro sentido da palavra amizade.
Cada segundo que passava o sangue circulava mais depressa, se uma forma avassaladora.
Chegou a altura de dizer, mas dizer o quê? O sentido das “coisas”, porque será que as “coisas” tem de ter um sentido?
- Não será mais fácil assim, sem sentido!
Um dia alguém me disse que valia sempre a pena descobrir em nós uma palavra qualquer, por muito simples que fosse.
E foi essa que eu descobri – OBRIGADO.






Apeteceu-me


"Muitas vezes somos surpreendidos por um enorme Vazio." Charles de la Folie

19 comentários:

Binoc disse...

Um grande abraço ( nestas ocasiões fico sempre sem palavras ).[[[[]]]]]

indie girl disse...

muito bem =)) nunka mais apareceu nas minhas bandas..bjs

augustoM disse...

Obrigado também por nos teres deixado partilhar o teu sonho, transformando-o em um bocadinho de todos nós.
Um abraço. Augusto

≈♥ Nadir ♥≈ disse...

agradeço a partilha e deixo votos de um bom fim de semana.
beijos

Nathali disse...

Oi Carlos.. ;))

Um super beijo carinhoso e um fim de semana cheio de alegria, surpresas agradáveis, paz, serenidade e muito amor.. ;)

JL disse...

Há alturas assim. Parabéns!

Tovarich Gina disse...

E que bem se vai comemorar o São João ;)

Ana P. disse...

"Muitas vezes somos surpreendidos por um enorme Vazio."

Aqui parei....

Beijos

Cherry Blossom Girl disse...

Obrigada pela partilha das tuas emoções.
Beijinho gd***

a Prinçusa disse...

nao é ornatos mas podes dize lo.


esta tudo a correr bem com o livro? :)



bjinho no coraçao*

GNM disse...

Espero que tudo tenha corrido pelo melhor!

Fica bem...

pisconight disse...

Obrigado por partilhares connosco!!
Um abraço.
;)

BlueShell disse...

Hoje estou triste…muito!
Beijo com uma lágrima que deixa sulcos na alma!
BShell

Daniela Mann disse...

Estou feliz pelo teu sucesso, muito feliz mesmo! Desejo-te as maiores felicidades e a continuação de mais vitórias.
Um abraço amigo,
Daniela

≈♥ Nadir ♥≈ disse...

Beijos e bom feriado

BlueShell disse...

O amor é uma porra!
Grata pela visita e pelas palavras de força!
Beijo azul
BShell

Å®t_Øf_£övë disse...

Carlos,
Há realmente mumentos assim, em que não conseguimos perceber o sentido das coisas, mas na realidade elas têm sempre um sentido, mesmo que nós não o entendamos. É como as palavras, que muitas vezes nos fazem prisioneiros delas, na procura do silêncio das intenções que podem ser traduzidas delas.
Abraço.

Dulcineia disse...

Carlos,muitos parabéns.
E onde posso comprar a obra?
Fico feliz pelo feito,
aquele abraço!

Miguel V. disse...

Gostei do que li sim, há muito que não te visitava!!!

Cumprimentos!!!