segunda-feira, novembro 13, 2006

UMA NOVA VOLTA

(…) - Tinha sonhado contigo, foi há muito que isso aconteceu mas parecia tão real, continuavas ali como sempre!
A vida foi passando, sem sequer, dar pelos dias! Uma debandada de dias que desfolhava a vida, ou talvez o contrario, a debandada da vida que se esvaía em dias.
Quase sempre Ele procurava alguém para fugir a sua solidão, nem sempre o conseguia.
Sentia-se louco, um pouco, mas feliz – se é que alguém consegue apreciar a sua própria insanidade mental e a sua perpétua degradação.
Ouve dias que se temeu o pior. – Vi-o correr direito a uma muralha que ficava lá longe. Onde há muitos anos homens diferentes de sangue igual combateram dias e rescreveram as noites com pinturas a vermelho na lua, onde ensanguentaram as trevas sem tréguas.
Era uma corrida solta como o galopar de um puro-sangue Árabe. De um só pulo, atirou-se para cima da muralha mais alta daquele castelo que queria descansar.
Não vacilou um segundo, em perfeito equilíbrio enquadrou-se com toda aquela paisagem. Bastava rodar… fazer rodar 360 graus para ver todo aquele cenário e unir-se, fundir-se entre o precipício e a história.





De braços abertos, peito feito ao sol, camisa aberta ao vento desfraldada como uma bandeira, os cabelos á sorte daquele silêncio anunciado como uma máquina de morte.
Estava frio, ou ficou frio, naquele imenso instante entre a histeria e o bom senso.
Aqueles segundos duraram uma perpetuidade, para nós, que temíamos sempre o pior.
(…) – Sempre soube que eras imaginário, mas não deixaste de ser menos importante por isso, eras como um irmão para mim.
Naqueles dias, a confusão era como uma confissão, perdia-se em pormenores sem grande ou nenhuma utilidade. Ele, gostava de se sentir em perda constante, mas quase sempre se sentia perdido.
Eram histórias em espiral e sem fim a vista, grande parte das vezes cruzavam-se em espaços descontínuos. O desespero em que se encontrava provocava pequenos alertas em toda a comunidade residente, desde a aranha, á mosca, assim como ás melgas, ácaros e afins. E como ele temia os afins. Reinava o desconforto, mas a verdade é que não era o seu… sim o seu desconforto, Ele provoca desanimo, em todos os seus mais chegados seres.
Descobri mais tarde que a sua ingenuidade é que nos afligia, o porquê dessas aflições ninguém quer responder, porque ele não existia pelo menos da forma em que todos o viam. Até porque voltando ao inicio de tudo:
- O espelho nunca lhe respondeu, nem uma esperança lhe deu.

Apeteceu-me

"Os nossos olhos é que mudam as imagens, nem tudo parece o que realmente é." Charles de la Folie

12 comentários:

≈♥ Nadir ♥≈ disse...

....oooO
....(....)... Oooo
.....)../. ...(....)
....(_/.......)../
..............(_/
....oooO
....(....)... Oooo
.....)../. ...(....)
....(_/.......)../
..............(_/
...... Passei por aqui
......... E desejo
......... Uma boa Semana
BEIJOS

pisconight disse...

Boas!!
Já cá não passava há muito tempo.
Continuas com uma escrita muito cativante. Tenho é muito para ler...
Fica bem!!
;)

augustoM disse...

A solidão leva ao conflito pessoal onde o desejo se dilui na desilusão. Terei eu mesmo o direito de viver?
Um abraço. Augusto

Nelita disse...

os nossos olhos...
não serão eles os primeiros a trair-nos???
....
bjitooooooooooo

Paula Raposo disse...

Verdade!! Beijos.

Binoc disse...

Olá amigão, bem sei que ando muito caladinho. Workar, só workar.
[[[[[[[]]]]]]]]

Micas disse...

Infelizmente é assim mesmo, só vemos aquilo que nos convém...já diz o ditado que :"Cego é aquele que realmente não quer ver"...

Venho sempre ler-te mas últimamente tem sido impossivel de comentar, aparece sempre uma janela pop-up??

Beijos e bom fim de semana

Su disse...

nunca nada e ninguem é o que é.....
jocas

a Prinçusa disse...

nao gosto de acordar dos sonhos reais...

lobices disse...

…as minhas saudações…
…ao fim de 3 anos de escritos, o meu blogue http://lobices.blogspot.com morreu;
…entendi que havia cumprido a sua “missão”…
…porém, ele deu lugar ao livro “Lobices”, uma compilação de tudo o que foi escrito ao longo destes meus últimos anos de vida…
…a vossa visita ao meu covil será sempre agradável e lá encontrarão o link para a aquisição do livro se esse gosto me quiserem dar…
…a minha (e)terna gratidão pelo vosso apoio e presença ao longo destes tempos…
…o vosso sempre amigo
quim

Ana P. disse...

Já cá não vinha há algum tempo e leio um pouco de desilusão!!!

Beijos

≈♥ Nadir ♥≈ disse...

….(`“•.¸(`“•.¸ ¸.•“´) ¸.•“´)
….(¸.•“´(¸.•“´ `“•.¸)`“ •.¸)
......d88888bd888b.
.....d8888888888888B.
.....888888P`Y8888P.
.....Y888888.....( , \_.
....,_Y88(.................)....*Passo para te ler...
....Y888888b.......__\..
.....“8“888P........(_.... para saber como estás...
.............|.....----“..
...........~;~~\~..... * Para te deixar um beijo
............=......\....
..........(_._).....\.....
...........|=|........\...
....._.../|..|..........\....
..../_\/..|..|..........|.
...,.-“---/_/--------“---.....
...`-.,_________,.--“..
..........|......|.|........
..........|___|.|...
..........|___|.|............ e desejo bom Domingo!!!!
(`“•.¸(`“•.¸ ¸.•“´) ¸.•“´)
«`“•.¸.♥ Nadir ♥ ¸.•“´»
(¸.•“´(¸.•“´ `“•.¸)`“ •.¸)