quarta-feira, agosto 25, 2010

Aqui há pena de Morte - Diário de um sem-abrigo

video

terça-feira, agosto 17, 2010

Vidas (Em)cruzadas) - Pancada VIIII

Aquelas palavras ecoam-me ainda na minha humilde cabecinha (...)

-Sabem?! Ontem estive com a Palmira.

-OHHH, então? (em coro)

-Nem sabem o que aconteceu!

-Conta!... (em coro)

-Estive com a Palmira, e...

-Foi?! E?... (em coro)

-Nus!

-Nus?!... (em coro)

-Sim, e foi muita bom, até deitei... Sabem?... Não sabem?!

-Ah vieste-te? - diz um ou uma mais esclarecido ou esclarecida.

-Vieste-te?! (em coro)

-Sim, vim a pé, como é normal, o meu pai tem o carro na oficina.

-(riso geral) Ah! Ah! Manganão, conta lá, não disfarces - diz o mais esclarecido.

-Sim, sim pois claro e depois, sabem, foi sempre a abrir.

-E a Palmira? (pergunta geral)

Aquela conversa foi para mim tão absurda, que ainda hoje tento perceber o tipo, tentar tento, mas não consigo!

É óbvio que eu naquela altura, até demorava a carburar, a pensar no assunto,realmente a perceber o que acabava de ser dito ali. Fartei-me de gozar o pagode, tipo cá de trás da multidão, e se era uma multidão estava mesmo muita gente, a escola quase em peso... Olha então quando o assunto era uma menina, nem queiram saber!

Eles,para saberem pormenores, elas para poderem ter trunfos contra a concorrência,ali valia tudo, aliás se há sítio competitivo para o qual nós não estamos preparadas é o Secundário, vi-me e desejei-me, mas sobrevivi. Da fama daquele energúmeno é que não me safei, mas naquela tarde e perante aquela assembleia, eu mandei umas bocas valentes:

-Então Garanhão há gaja!?

Eu cá de trás, escondida em tom provocador, muito mesmo.

-Era perfeita, umas mãos magníficas.

-Porquê és manicura, arranjaste-lhe as unhas?

-Pois, pois...

Dequem não tem resposta, e o sorriso amarelo, só visto.

-E descobriste-lhe o ponto G?

Estafoi para o matar, ainda hoje me rio da resposta dele.

-Sim, sim, estava difícil de o tirar, mas consegui. Aqueles cintos da Gucci sãomesmo difíceis, mas têm aquele pontinho em cima do "G" ...

Alie acolá ouviram-se umas gargalhadas estridentes, claro só mesmo algumas miúdas perceberam a pergunta e entenderam a cretinice e imbecilidade da resposta.

-Tocaste-lhe o clítoris?

Esta ainda foi mais maldosa!

-Sim toquei, ainda tentei tocar Led Zeppling, mas ela odeia música pesada.

-Tentasses uma música mais levezinha.

-Pois, não tentei, devia?! É que eu só tenho olhos para a Palmira...

Já não me lembro bem do resto, sei que me ri... que chorei a rir, acho que me mijei a rir e que andei muito divertida, super divertida o resto da tarde, só quedepois comecei a sentir aqueles olhares de, como explicar... um misto dedesaprovação e de heroína, mas também um misto de desavergonhada com tarada sexual. E comecei a tomar as proporções da coisa, já era mesmo coisa pública e começou a remoer, a remoer, uma moinha nesta minha humilde cabeça... A cólera e araiva começaram a tomar conta de mim e isto numa rapariga de 14 anitos,imaginem!

É...Eu tinha os meus defeitos, como toda a gente, era traquina, mas tinha alguma consciência e, aquilo, aquela história começou a cair-me muito mal, a provocar azia e de que maneira.

A caminho de casa, não como sempre, evitei ir com o Pilitas e com o Vasco, fui a matutar na vingança, como havia de me vingar. Pensei em quase tudo, até empurrá-lo do alto do nosso prédio, mas coitadas das pedras da calçada!

Ao virar a esquina... vi, ao fundo da rua, a conversar, o Pilitas e o Vasco. Eles estavam de costas para a entrada do prédio. Achei que aquele era o momento e não me ocorria nada... É que não me lembrava de nada, estava bloqueada. Ali antes do prédio havia e há uma loja de electrodomésticos que é do Tio do Pilitas, ali, na zona da porta costuma estar sempre e naquele dia não foi excepção, uma pequena exposição dos produtos da loja. A única coisa que se pegou à minha mão e com uma boa base de lançamento foi uma daquelas panelas de pressão com uma pega grande tipo frigideira, ora a tampa parecia mesmo à medida dos meus intentos. Escapuli-me para dentro do prédio, sem me verem, foi difícil, mas consegui ficar transparente tal era aminha raiva. Quando eles entraram só me lembro que ainda travei o meu ímpeto a tempo de... porque... pois porque se não tinha sido a minha desgraça.

Travei a tempo, salvo seja, a "carrapeta" em ferro, com o balanço, saltou e pimba, 6 pontos no toutiço... A partir desse dia, conversas com ele nunca mais, claro sócom o advogado da minha mãe como nos filmes. A verdade é que nunca mais conversei com ele, também é verdade, que nunca o perco de vista, nem posso! Há entre nós um misto de Amor-Ódio, uma química infernal, sei que ele também tem o mesmo sentimento, também sei, das peripécias que faz quando anda mais nostálgico... Não... não são essas, de falar alto pelos corredores e pelo prédio quando sente a minha aproximação, começar a dizer disparates para ter a minha atenção, diz cada coisa mais ridícula... No outro dia, eu nem me lembro bem,aliás, eu... eu mesma até fico envergonhada, mas disse uma patacoada do género...quase que pareciam duas, tipo a falar sozinho, como os malucos, uma conversa de surdos, mais de malucos... assim, mais ou menos... - Meu Deus porque me fizeste tão belo?

Ou então:

-Não sei se estou farto de ser belo, se estou farto de ser loiro.

Claro que deve estar belo, ele é moreno até à quinta casa e de belo só se for um belo cabaz de cornos, isso sim, isso é que é beleza.

Apeteceu-me



"Apenas por uma vez descobri que havia outras vezes para olhar a vida" Charles de la Folie

terça-feira, agosto 10, 2010

Vidas (Em)cruzadas) - Pancada VII

O que me está neste momento a irritar… a verdade é que a dor de cabeça continua sem parar e eu sem saber o que a “velhota” anda a fazer por aí, com um envelope na mão e toda sorridente… Raios que me partam a mim e ao que me atormenta, há dias em que só me apetece desaparecer, para falar a sério, agora apetecia-me mesmo era estar numa igreja vazia, sem ninguém, de olhos fechados, sem ouvir nada a não ser aquele silêncio profundo, dá-me a calma suficiente para…?! É fenomenal, pouca gente, claro que pouca gente sabe, e porque havia de saber o que eu vou fazer à igreja! Devem pensar que eu vou pedir aos anjinhos ajuda divina para qualquer coisa…tipo os exames, mas não?! Claro que não… vou lá em busca de calma, três quilos de calma e quatro quilos de concentração… é uma boa fórmula, uma óptima fórmula de descompressão e descontracção e alguma estupidez natural.
Depois de uma porrada de anos a estudar… aqui estou eu feita parva, deitada na minha cama, pois de quem havia de ser, claro que sei de quem podia, até tenho uma boa lista de possíveis “gajos de a quem a dita cama poderia pertencer, mas… estou aqui na “minha”, como uma colegial à procura do prazer divino, ou será divinal? Pior, só mesmo estar com uma pancada na cabeça, que nem vejo, e ainda por cima desempregada, mas isso não importa grande Merda, não é que me possa queixar, não me falta grande coisa, mas… Pois é, por vezes, é um tédio, uma pessoa às vezes está no sofá e já não sabe em que posição deve estar, nem paciência, nem nada. Lembro-me do Ricardo, mais conhecido por RICHARD OSBORNE, era um dos gurus do meu curso de Sociologia: “A Sociologia explica o que parece óbvio a pessoas que pensam que é simples, mas que não compreendem quão complicado é realmente”. Este gajo sabia da coisa…
Estão a ver o dilema, onde estou metida nos meus pensamentos?! Qual dilema, eu digo que é um trilema! Estes meus pensamentos vão muito além do que se pode pensar, chegam por vezes ao absurdo do intelectual. Para quem pensa que eu sou uma menina fútil, gosto, adoro que essa seja a minha imagem de marca, gosto de a cativar à futilidade claro, às vezes assusta e dá muitas surpresas a quem não me conhece, grandes perturbações para assim dizer. Que o diga a Dra. Mónica, a psiquiatra que mora aqui no prédio, a senhora pensa ou deve pensar que eu sou parva, deve mesmo pensar que eu não sei, pois deve, ai deve deve… que eu não sei o que o Vasco andou por lá a fazer nas suas consultas! Foi, até parece que eu não conheço o “animal”, e mesmo que não o conhecesse… A maneira como ela o olha, há sempre outra hipótese e das duas uma, ou é fufa, ou o Vasco foi com aquela conversa da treta que andou a espalhar por aí há uns anos, espero que ele tenha aprendido com aquela pancada de 6 pontos e que me custou muita coisa, e mulher perdida por cem, perdida por mil, é o que se diz e acho que é bem verdade.
Mas eu sei lá, custou-me muita coisa boa na vida, entre elas custou-me muitas noites perdidas a pensar nele. Mas, mas… mais um mas e mais um… mas a Dra. deve pensar que eu sou parva, e mesmo que fosse, mesmo que eu fosse parva, tenho sempre um aliado de peso um excelente aliado, o meu grande amigo Pilitas que me conta tudo. Ah! Pois é! Sei que foi ela que o desvirginou, não ao Pilitas, mas ao Vasco, pois claro, deve ter sido bonito deve, ela com aquele ar sabido com os óculos a caírem-lhe pelo nariz, aquele cabelo apanhado com um lápis atrás, estou a ver o filme!
Às vezes vejo mesmo filmes, filmes de mais até! O que é certo é que não sei se o que sinto por ele é amor ou se é ódio. Ele deve pensar que eu ainda sou aquela “parvinha” como no dia em que foi contar aquelas histórias para a escola, onde reuniu meio mundo e contou aquelas alarvadas sobre mim. Ainda um dia gostava de perceber e entender o que é que realmente se passou naquela cabeça, naquela cabecinha tresmalhada, não sei se isso vai acontecer algum dia.
Apeteceu-me


"Nem sempre encontramos o que procuramos, porque estamos demasiados ocupados em não achar..." Charles de la Folie

terça-feira, agosto 03, 2010

Vidas (Em)cruzadas) - Pancada VI

Éramos umas espertalhonas, por exemplo, lá o nosso grupinho, tínhamos tácticas infalíveis para saber quem eram os rapazes que gostavam de nós. Tenho vergonha de pensar no assunto, tenho? Não tenho nada, quer dizer… envergonho-me do que andei a fazer, mas passa, é coisa de pouca dura… dura que horror… Mas que resultava a nossa minha táctica, resultava, era tiro e queda, então era assim: montávamos guarda à porta da casa de banho dos rapazes e íamos ver as portas das retretes, os escritos, o que lá andava escrito, tipo “Vasco Love Palmira”, ou a “Virgindade da Palmira mora aqui”, coisas deste género e com uma fluência literária que metia dó, de uma prosa e de um português, sei lá, será que se pode dizer vernáculo ou cavernáculo?!? Mas houve lá, naquele sítio digno de um Cervantes ou de um Marquês de Sade, uns escritos ou uns dizeres… hummm fabulosos… nunca mais me esqueço:
“Eu fodi a Camarão Diaz!”
“Eu fodi a Inona Radar!”
“Eu fodi a Catarina Fortuna!”
“Eu fodi a Fernanda da Serra!”
E depois, por baixo, estava uma piada medonha escrita com letras quase garrafais ou seriam… pois… mas estava assim:
“Tu fodeste foi a parede toda ao homem!”
Apesar de tudo, nas paredes da casa de banho dos rapazes, no WC, é tão giro dizer isto, liam-se algumas coisas interessantes, mas verdade verdadinha e que seja dita, quem não se sentava naquelas retretes, ai, ai, era a filha do meu pai, essa é que não era de certeza absoluta. Eu não me sentava pelo nojo que era e eram de uma imundice vergonhosa e assustadora. Engraçado ou sem graça, nem sei o que pensar, muitas raparigas…pois, já me lembro, arre!... com esta coisa nem raciocinar direito consigo, perco-me… ah!… haviam de ver como pensavam muitas raparigas… Naquela altura, ainda hoje infelizmente, quando aparecia alguma rapariga grávida, geralmente, era por contágio, sim contágio, tipo infeccioso, era sempre por artes mágicas do acaso. Aliás, havia por aí muito incesto virtual claro, ou era na toalha da casa de banho, ou na banheira, familiar portanto!
Hoje rio-me com isso, tem mesmo uma certa piada como se pensava antigamente, era fantástico, o problema é que os nossos, pois os nossos pais alimentavam-nos essas ideias, eram planos divinais que nos engendravam. Hoje, olhando para trás, vejo os atentados que fizeram à minha inteligência, mas não foram os únicos. Só de pensar na falta de informação, é inenarrável, como nunca ouvi falar do assunto, penso que deviam fazer abortos a atirar pedras às cegonhas… Meu Deus!
A grande verdade!... Tudo naquele tempo era tabu… o aborto, a pílula, a própria menstruação, nem maionese podia fazer menstruada, só comigo engolir essa tretas, histórias desse género, mas a culpa, não era nossa, era dos nossos paizinhos que parece que viviam na pré-história. Chego a pensar, deveriam querer que acreditássemos ter nascido de geração espontânea. Para que era tanto tabu… tanta Merda à volta das coisas, parece que andavam a criar flores de estufa. O que é certo é que elas aconteciam e se aconteciam, pois claro e depois é que eram elas.
Tive sorte na mãezinha que me tocou, quanto ao paizinho nem vou falar. Se ele não consegue falar, porque terei eu de falar dele. Assim à primeira vista nunca me bateu, também não me lembro de ele bater na minha mãe, mas gritava que nem… nem sei bem, era um misto de corneta, com bombos misturados com o som duma locomotiva a vapor, qualquer coisa assim do género. Felizmente que o meu pai está por terras Africanas, está lá debaixo da terra, já há uns tempos que deixou de nos chatear e de nos aborrecer com os seus gritos tipo Tarzan do raio que o parta, foi-se de vez, tanto para mim como para a minha mãe, é um alívio.
A Dona Henriqueta às vezes, por vezes mas não muitas, ainda chora, isto quando se mete a ler as cartas que tem guardadas. Eu não tenho grandes saudades, nem grandes nem poucas, claro fiquei com um belo carro, tenho uma casa só para mim, tenho muita coisa, imensas coisas, mesmo muitas… se ele ainda aqui estivesse, bem tramada estava, tramada não, mas sem coisas e que coisas!
É claro que às vezes tenho saudades dele, mas também pensar que ele ganha uma nota lá nas minas de Diamantes, e que é certinho aqui ao fim do mês, é pena não ser em diamantes, mas enfim não se pode ter tudo… Já agora, lapidados e enfiados num belo colar, claro e o cuzinho lavado com água de rosas?! Hi! Hi! Hi!
Mas também, lembrar-me agora do meu pai é um bocado tétrico, afinal coitado do homem, anda lá fora a trabalhar para me sustentar, ou pior, anda lá fora a trabalhar para não estar aqui dentro a chatear e não me sustenta só a mim, sustenta também, pois sustenta os meus vícios, já que a mãe não tem nenhuns.

"As palavras por muita alma que tenham, nunca deixam de ser palavras, às vezes basta ouvi-las!" Charles de la Folie