segunda-feira, outubro 22, 2007

Utopia


(…) Gosto de me projectar para uma mundo diferente. Não foram poucas vezes que me vi diante um público entusiasta a olhar os meus saltos em tudo magníficos. A minha elevação o meu poder de me fixar e permanecer no ar. Ou um pequeno chassé, que espelha nos meus pés a vontade de voar em pontas de fogo. O meu corpo quente de vontades, permanece em movimento para arrefecer o desejo que me percorre. Gozo o meu corpo vivendo tudo o que não posso nem consigo. Sonho com o corpo que não tenho, vejo-o de forma diferente. Deste que é meu, saem projecções de mim, que se reflectem no meu gemer.



(…) Não sei de quem é o barco que me leva. Gosto do vento que me afaga o corpo e me arrepia. Sentir o rasgar do mar, como quem rasga um corpo com as unhas. Olha-lo no fundo, no horizonte. Perder de vista o tempo, com que medimos os sulcos da nossa pele. As curvas com sabor a sal. A temperatura com odor ao meu prazer que desce de, e em mim. Sentir-me acompanhada, com a personagem que se reflecte na água verde sem esperança. Revolta-me o corpo os pensamentos mais altruístas, as minhas mão só podem ser outras mãos num empenho que é meu.

(…) Perco-me pelos meus caminhos. Enormes encruzilhadas que recaem nos meus pensamentos. Direita, esquerda, cima, abaixo, fico-me. Parada recolho o céu que cai sobre mim. Arrepio-me mais uma vez com medo das minhas ilusões. Dos monstros e fantasmas que não me largam. Já estão tão longe, mas sempre tão presentes que tenho medo que sejam reais. Não pode! Nem quero, quero trilhar outras veredas, outras vaidades, outros sentidos que não direcções. Sigo-me, os dedos palmilham-me. Abre-se-me aquele sorriso meio parvo quem não se controla… assusto-me.


(…) Nem sempre reconheço os espaços que me rodeiam. Aquela fragrância de carmim que se esconde envergonhada de tempos em que foi abusada. Choro compulsivamente dentro de mim, da mesma forma que recupero suspiros dos tempos em que o espelho despertava fúrias. Experimento outra vez aqueles pequenos corrupios –, entre o absolutamente e o delicadamente carnal. A pele eriça-se, protejo-me de olhares mais perversos – os meus próprios olhares. A minha orbita volta a céus onde a musica suporta todo o desejo daquele caminho percorrido tantas vezes…


(…) Levanto-me, ergo-me mais uma vez perante o meu corpo. Está nu. Nada me separa de nada. Sinto vozes, que vociferam palavras de deleite. São armas que entram por mim e me descontrolam. As minhas mãos interpretam sinfonias, verdadeiros solos de poesia. Contorço-me, fecho-me, antes de me abrir e sentir o descolar da minha alma. Arremesso-me de encontro aos meus segredos. Tremo sem medo. A espinha contorce-se de uma vontade ir sem nunca chegar. Há um percurso que se vê ao longe e tenta-se perpetuar no momento. Ingrata a missão entre o querer e o ter, sabendo-se que se vai chegar. – Mesmo que sozinho.


Apeteceu-me

" Uma Mulher é sempre Mulher mesmo na desgraça, um Homem é sempre uma desgraça perante o seu olhar". Charles de la Folie

10 comentários:

Nelita disse...

Há Mulheres e mulheres...
Há Homens e homens...
e
Há Desgraça e desgraça... lol
Apeteceu-me :P

augustoM disse...

Não concordo que haja mulheres e mulheres, o barro é mesmo, só o oleiro moldou umas mais do que outras.
Sabes não gosto da palavra utopia, pelo que ela representa, suspirar pelo inatingível é negarmo-nos a nós mesmos.
Um abraço. Augusto

Lord of Erewhon disse...

O Pessoa foi sucinto... «gosto de outrar-me»...
Acerca do amor e das mulheres é que não disse coisas muito simpáticas... mas é natural: era inteligente.

Lord of Erewhon disse...

P. S. O amigo aqui em cima está completamente errado.

sofialisboa disse...

inventas palavras femininas...mas gosto de te ler mesmo quando sonhas em forma de mulher sofialisboa

sofialisboa disse...

sabes onde fica a lagoa de obidos? de um lado é a foz do arelho, do outro é a praia do Bom sucesso ou também chamada de Rio Cortiço, digo-te estes pormenores todos porque sei que gostas de Surf e esta praia está sempre cheia de surfistas alemães achei que também gostaria de saber...é mesmo linda bjs e bom feriado sofialisboa

♥≈Nღdir≈♥ disse...

"não importa se a mulher é bonita ou feia, no fundo é sempre uma bruxa... ela se transformará de acordo com a forma que você a tratar...!" (autor desconhecido)
Beijos e bom fim de semana

maria teresa disse...

Uma Mulher é sempre Mulher mesmo na desgraça, um Homem é sempre uma desgraça perante o seu olhar".

Nao concordo! Um homem é sempre um homem mesmo na desgraça.

Tia Concha disse...

Sabes, como dizer o que quero dizer sem ser ofensiva.

Acho que és o homem mais feminino que conheço, e acho que conheces mesmo muito bem a cabeça duma mulher, não me perguntes não te conheço, mas é isso que os teus textos me fazem sentir.

E fazem-me sentir bem.

bjs.

Claudia Sousa Dias disse...

erste texto é uma autêntica nectarina. Fez-me bem saboreá-la.


Abraço


CSD