quinta-feira, janeiro 01, 2009

A mudança do tempo em pequenas nuances

(…) O ano passava por portas e travessas, através do teu olhar. Era com indiferença que ele – o ano - anunciava a sua chegada. Não era preciso dizer nada, até porque, aquele pequeno fitar não deixava marcas, como as tuas mãos pelo meu corpo. As carícias que tornavam húmido toda a minha imprevisibilidade, essas sim faziam-me olhar para ele como o melhor de sempre.


(...) O ruído da tua chegada perdeu-se numa imagem de solidão. O teu segredo não será nunca desvendado. Também não é por isso que te esperei impacientemente, só para ultrapassar mais um e ficar mais velho. É como despir um velho casaco, virá-lo do avesso e retomar o caminho. Não o meu, nem o teu, mas sim os vários caminhos que nos embalam no dia-a-dia, até chegar o momento em que te findas e volta tudo ao princípio.


(...) Olhar perdido, rosto sem expressão, corpo adormecido pelos dias que passam e não voltam. Nunca voltam, nunca são os mesmo. E ele ali parado, como o homem-estátua sem conseguir pará-lo – o tempo – intempestivo e sugestivo. Sempre novo, mas sem novidades, a não ser que ninguém o consegue inverter, nem abrandar. O rosto de pedra, também ele ficou gasto pela idade do tempo, mesmo sendo intemporal.

(...) As mãos unidas desfaziam as dúvidas que tinha sobre o dia-a-dia. Pouco importava a não realização de mais uma fogueira naquele ermo desconhecido de todos. O Grito surgiu por detrás da pequena vereda, não sei como ele foi ali parar, mas foi descoberto pela sua impaciência. Estava despido e berrava como uma criança acabada de nascer. Afinal era o renascer das vontades, mesmo que nós nos mantenhamos iguais a ontem. Nada mudou a não ser o ano em que nasceste.


Apeteceu-me


"Nem sempre o ontem tem sequência no amanhã". Charles de la Folie

4 comentários:

JC disse...

O ano que passou pode não ter sido o melhor, mas foi o que cada um nós conseguiu viver. Com altos e baixos, com momentos bons e outros menos bons, mas foi o que tivemos. Muito do que pensamos concretizar secalhar ficou pelo caminho, mas esperamos que este ano o consigamos realizar, o que ficou e o que desejmos. Pensamento positivo e a ajuda de alguém, alguém que sempre nos acompanhe e que esteja sempre ao nsso lado.
Um abraço

Anónimo disse...

E porque o "tempus fugit"
e porque o ontem é quimera
e o amanhã ilusão...

Que as vontades renasçam
no hoje...
laivo ainda da mudança do tempo...

Gostei destas "pequenas nuances da mudança do tempo"

um 2009 repleto de inspiração

Anónimo disse...

Bela reflexão sobre o fluir do tempo!
Bom ano!

Vida Hi-fi disse...

Os anos passaram. Ambos crescemos... Será coincidência ou já nos conhecemos de outras paragens e agora coincidimos nesta?
Tentei indagar junto da fonte comum, algures pela RDP, em tempos idos na Rua do Quelhas... diz-me que deve ser o mesmo Carlos Barros. Hesitei, mas como sempre faço na vida, decidi arriscar... Cheguei aqui pelo blogue da Verso da Kapa, onde sou autora. Coincidência? O tempo o dirá!
Anyway, um abraço, pelos excelentes textos!
Ana Agostinho