quarta-feira, abril 01, 2009

60 minutos da minha vida - (Um pouco de Matilde)

(…) Calcorreava a praia com o cansaço de me arrastar. A musica escamoteava os efeitos mais nefastos do peso que tenho de transportar – para onde quer que vá. A areia entrava pelos «ténis» de uma forma ardilosa e concertada, num acto incomodativo. O pensamento está longe, depositado – como uma flor – numa massa de água que desvanece aos meus pés. Na contra-luz uma silhueta, um braço acena e coloca-se diante de mim. Um corpo queimado do sol, óculos escuros, calções e uma rede de volei de praia nas mãos. Já o tinha visto por aí, ora de bicicleta; ora nas «cadelinhas» ou numa prancha de surf. Tinha a certeza que não o conhecia de lado nenhum, assim como não conheço o fundo – mutante – do mar para onde me lanço. Desliguei o Ipod e durante 30 minutos deixei as palavras fluírem, numa conversa entre dois desconhecidos, que apenas tem o mar em comum. Construímos em alguns minutos um Bar de praia, onde as pessoas podem entrar – descontraidamente – escolher um livro e viajarem naquelas ondas escolhidas a dedo pela nossa imaginação.



(…) Soltei um sorriso e caminhei pela praia – São João – em minha companhia, solto e pensativo. O mar mantinha-se calmo, absorvia o brilho do Sol, na sua incandescência primaveril. Lembrei-me de uma das minhas personagens – Matilde – que um dia tinha estado naquelas dunas sentada a rever-se. Antes já tinha absorvido toda a cor – amarela – das Acácias que pintavam toda a mata que envolve o meu pequeno Mundo. A Matilde é mais que uma personagem, ela habita no meu espírito, tem cor, cheiro. Sempre soube quem era, pela sua singeleza e pelo olhar meigo e tímido. Deixei esse pensamento, por um instante recordei duma frase simples de um grande amigo meu: O não é garantido… Tinha de continuar a caminhar, o Sol já me queimava a alma e o dia apenas estava a começar.


(…) Dois cães negros, saltavam à volta da sua dona – elegante – escondia o rosto debaixo da pala de um chapéu. O colorido da paisagem abria-me os pulmões quase derrotados pelo cansaço de uma caminhada inócua. Fixei mais uma vez os dois «Labradores», brincavam numa euforia desmedida e descontrolada. Gosto do Caos provocado pela minha imaginação, mas era real. Estava viva a praia – de São João –, uma rapariga – bonita – caminhava num passo certo e ziguezagueante pela fímbria da maré. Olhar impenetrável nunca tirou os olhos do seu objectivo – e eu não era esse objectivo. Deixei a música por um instante e fui sugado por outros ruídos. Mergulhei num mar que tanto gosto e deixei-me abraçar pela água salgada. Só depois consegui aquele silêncio que o mar nos oferece.

Apeteceu-me

«Os dias correm de uma forma natural sem se lembrarem que nós estamos agregado a eles» Charles de la Folie

7 comentários:

cassamia disse...

as personagens são sempre vidas em nós carlos :)
adorei ler-te!

Vida Hi-fi disse...

Eu já tenho a Matilde comigo!!!! Trouxe-a, hoje, do El Corte Ingles!!! Agora falta o autografo do artista... cadê ele?...

Beijos

as velas ardem ate ao fim disse...

Vou ter que te comprar.

bjo

frAgMenTUS disse...

ah mas gostei mt..o mar...da descrição...o bar praia c/livros(sonho meu,tb)...e fiquei a pensar se s.joão é o estoril? :)

apeteceu-me...ler o livro! :)

bj e sucesso

Anónimo disse...

Olá Carlos, já conheço a Matilde, o David, a Maria, o Henrique...
Li o teu "Ladrão de Livros" e adorei. Gosto deste misto de realidade, sonho...parabéns!
beijo

Anónimo disse...

Faço minhas as palavras da editora Fronteira do Caos
«O "Ladrão de Livros" é uma das mais belas peças literárias ... escrita por um autor português contemporâneo. O autor, Carlos Barros, tem de facto um dom: escrever. Neste momento, apenas será oportuno afirmar que Carlos Barros escreve ao nível dos grandes mestres da literatura portuguesa: elegante, distinto e profundo, são adjectivos que assentam na perfeição ao estilo literário do autor. Um livro que certamente irá dar que falar....»
Tens na verdade esse dom: sabes escrever.
um abraço

Tatiana disse...

É sempre bom estar aqui...

Um belo final de semana para você e para todas as pessoas que estão em seu coração!

Um beijo carinhoso