quinta-feira, agosto 25, 2005

Porquê “calamidade pública”? Mas porquê?!



Porquê “calamidade pública”? Mas porquê?!
Estou farto de ler jornais, ouvir noticias, ver telejornais, e realmente não consegui ver que nenhuma casa de um político, ou terreno tenha ardido. Não consegui descobrir nenhuma figura pública que tenha ficado sem nada, que o seu meio de subsistência tenha ficado no meio das labaredas.
Não me lembro mesmo que alguém das revistas cor-de-rosa tenha ficado sem o pouco, que tinha conseguido ao longo de uma vida de trabalho. Então porque há-de o estado de “calamidade pública” ser decretado em algumas zonas do país? Teria sido decretado, se na zona de São Bento, tivesse ocorrido um fogo, e devastada toda aquela zona, com a casa do primeiro-ministro incluída. Estou a imaginar os senhores deputados sem local de trabalho! Era o descalabro Nacional!!!
Penso mesmo que o país –, o país não, o Mundo – parava para decretar “calamidade pública”.
Outro assunto que não me parece que mereça contestação, tem a ver com os meios de combate a incêndios. Pelo que tenho visto, lido e ouvido, o nosso país tem os meios mais que suficiente e adequados para combater incêndios! Mas ai é “limpinho” e não suscita dúvidas. Não me lembro de nenhum incêndio de 2004 ainda estar aceso e duvido que quando chover que a coisa não acalme em 2005, e que os incêndios deste ano cheguem a 2006, o que quer dizer que afinal os meios são mais que suficientes, pelo menos para os apagar. Agora duvido é que haja meios para que a mata e a floresta portuguesa continue de pé. Penso que vai ser mais difícil, ai vai, vai... mas pelo menos e por enquanto não há notícias de que anda gente a usar os helicópteros para combater os incêndios, para fazerem passeios turísticos.



Apeteceu-me

"Não é só o quente que queima" Charles de La Folie

21 comentários:

Manoel Carlos disse...

A maioria das catástrofes naturais não é natural, mas fruto de problemas sócio-econômico-políticos.
Parece até que a combustão foi decorrente da "queima" do dinheiro público.

A. Duarte Lázaro disse...

As coisas que eu faço para poder comentar os artigos do casal... Aiai... talvez aproveite e mude a casa para aqui.
Ora bem, cá estou eu na minha visita quinzenal para comentar os artigos de opinião do casalinho no VOZ DAS BEIRAS.

Carlinhos: o teu artigo desta vez não tem nada a apontar (a não ser um ou outro aspecto ortográfico ao qual eu vou fechar os olhos...hihih); está fantástico! Crítica bem formada e acutilante e atiras para os sítios certos. Sempre o teu toque de humor. Enfim, não me vou alongar... Mas deixo-te os meus parabéns.

Teresa: bem... :/ ... não sei o que dizer. Já não tenho palavras. Sempre actual, directa, consensual, inteligente e com uma escrita de qualidade intocável. Perdoa a falta de palavras que parecem, infelizmente, banais de tão repetitivas, mas a crítica é sincera - não o faria de outra forma.

Um beijinho para ambos (um?... muitos!) e boas férias.


P.S.: Teresa, mais uma coisa: quero dizer-te que te admiro muito por razões que ambas sabemos. Não é nada fácil o que tens passado nos últimos anos. Eu sei-o. Um dia conversaremos. Um abraço.

margusta disse...

Olá Carlos
Isto realmente é uma vergonha, eu já não suporto ver tanta desgraça.
Vemos florestas que demoram anos a crescer reduzirem-se a cinzas, homens a chorar como crianças porque perderam tudo o que construiram durante uma vida, e depois ainda os que perdem a própria vida.
Tanto se falou no final do Verão passado na prevenção dos incêndios para este ano e ...nada...
Já tenho chorado ao ver a aflição dos que lutam pela vida e pelos haveres que têm.
Enfim é este o nosso Portugal.
Beijocas

Binoculista disse...

Completamente de acordo. Ver as imagens dos incêndios na Tv, ou viajar pelas estradas do centro e norte de Portugal e deparar com imensas áreas de mata ardida até faz doer a alma. Um abraço

persephone disse...

Calamidade? O que se passa no País?

*

Adryka disse...

Meu Deus eu estou desolada meu amigo, isto não é terrorismo!!!é o quê?.
Beijo meu amigo

contadordehistorias disse...

Nunca ouviste dizer que a madeira podre arde mal?

abraço

Manelito disse...

Garrett tinha toda a razão.

Os problemas da sociedade apenas encontrarão solução quando os políticos forem obrigados a mudar de casa de três em três meses.

Só quando a desgraça lhes bater à porta é que tomarão decisões de fundo que corrijam as anomalias ora existentes.

É pena, mas é mesmo assim.

AnaBond disse...

olha... nem mais.

realmente... calamidade? mas passa-se alguma coisa por cá?
acho que não, está tudo de férias...

Micas disse...

Calamidade????que ideia, somos os maiores, tão bons e tão orgulhosos que até dissemos "Não" à ajuda da UE, onde já se viu virem esses senhores importunarem as férias dos nossos políticos sem razão aparente...
Excelente escolha musical, os "Mesa" são realmente uma delicia. Bom fim de semana

Anónimo disse...

“Em Portugal a Alma dos Mortos não ilumina as resoluções dos Vivos, porque o Dr. Oliveira Salazar ainda não reencarnou” – Quitéria Barbuda in “O Desejado”, Revista “Espírito”, nº 17, 2005.

www.riapa.pt.to

Samuel Bastos Ventoso disse...

As tuas palavras no meu Blog, o que desde já agradeço. Estas são as imagens da calamidade, disso que certas mentes provocam... e essas mesmo que provocam estivessem no meio disso que fazem, a arder? Gostavam? É bom que se pense. Abraço. Samuel

augustoM disse...

É absolutamente compreensível a não declaração de calamidae pública. Se a moda pega o país é capaz de a pedir pela péssima actuação do governo, que é tão garvosa ou mais que os incêndios.
Um abraço. Augusto

Elsa disse...

Eu quase me atrevo a dizer... ainda bem que as fotos não têm cheiro! Porque senão nem essas nós gostaríamos de ver tal seria o cheiro a queimado... que obrigaria a pensar ainda mais nesta destruição horrível que está a acontecer um pouco por todo o lado.
Parabéns. Gostei do texto.
Boa semana de trabalho.

Joao disse...

Tens toda a razão, o teu texto é muito pertinente. Continua, é preciso é mexer com isto tudo, de uma forma ou de outra

Um abraço

Rita disse...

pois é, não é só o quente que queima. obg pelo comment no meu blog
um beijo*

carkov disse...

Não vou dizer mais, do que aqui já foi dito.Partilho inteiramente das opiniões das pessoas que comentaram.O sentimento é mutúo!
Grande Carlos!Um Abraço!

kikas disse...

É só para dizer que estou de volta!
beijocas e boa semana
kikas

bico disse...

Enquanto não houver vontade politica para comprar meios aereos de combate a incêndios, em vez de submarinos, e enquanto os bombeiros receberem subsidios por area combatida em vez de subsidios por area protegida, os fogos serão um bom negócio.

Anónimo disse...

bem falado.
amcosta.blogs.sapo.pt

O Micróbio disse...

Cruel ironia...