sábado, setembro 10, 2005

Ela (a Vida)


(…) Nunca entendi o porquê da sua relação doentia com ela própria, de ver, de a ver assustava, mas todos os dias… já criava uma habituação no Cérebro. Era difícil explicar á nossa razão, á nossa mente de todo aquele cenário que já se tornara habitual.

(…) Calculava que o dia fosse durar uma eternidade, apesar do céu azul do vento correr de mansinho, das flores despertarem para uma nova e sangrenta manhã onde as abelhas murmuram-lhes mentiras para lhes sacarem a sua alma.
Por ali… os sentimentos corriam ao sabor de qualquer coisa pouco perceptível, mas que fazia parte integrante da imaginação que nos faz viver o dia a dia.


(…) Não se sabia ao certo quando tinha começado aquela interpretação da vida, uma maneira igual a tantas outras caso se misturasse com a vontade de viver, com a saudade mas, aquela nostalgia não tinha igual nem paralelo - é verdade que uma paralela nunca em caso algum se toca, mas se a focarmos, se os olhos deambularem por ali alguns segundos ela afunila e somos traídos por uma união que em caso algum é realidade.

(…) Era um tempo que sem duvida passava, devagar mas passava, com ele alguma, alguma não, muita angústia. A angústia de saber estar por ali algo incontornável ou mesmo incontrolável. São os poucos contornos de uma vida com pouca existência. Mas bastava aquele canto… canto encantado dos pássaros, das aves que não de rapina que poderiam querer rapinar o meu espírito ou a minha rara e lúcida alma.


(…) Os cheiros eram de terra queimada, queimada pelo homem, pela passagem da sua existência, de tantos passos que se perderam por aqueles dias, por aquelas vidas que fogem e nunca mais se acham pelas banalidades das coisa que se perdem e raramente se encontram como os amores de coisa alguma, de uma parte de qualquer coisa que não se mede, que não se pesa, que não se controla mas que se sente.


(…) Corria a procura do imediato, do inesperado e pouco ou nada fazia sentido, quanto mais corria mais passado ficava, tudo era passado e a vontade de correr ia desvanecendo e os passos passavam a serem mais certos, mais comedidos e pensados, mas aquela angústia de viver continuava nunca se ia, ficava. E era essa a certeza que da sua relação com ela própria, uma tempestade constante e uma relação com ela.


(…) A vida… lá está ela, bonita e preciosa.


Apeteceu-me

“Os passos por mais perdidos que sejam tem sempre uma direcção” Charles de la Folie

20 comentários:

Natalie Afonseca disse...

Olá!!
Obrigada por teres visitado a minha teia!!
Adorei este teu espaço, muito digno de se ler!!
Voltarei com mais calma!!
Entretanto, fica bem.
**

Cristina disse...

Interessante o teu texto
:)
beijinhu e um óptimo fim de semana
:)

Menina_marota disse...

"...A vida… lá está ela, bonita e preciosa."

Temos que a saber interpretar bem...

Um abraço e bom fim de semana :)

mónica disse...

não podias fazer os textos um pouco mais curtos e não falar da vida das outras pessoas? uma pessoa chega aqui e pimba tudo escarrapachado! ao menos a minha vida não é enfadonha, podias ter dito isso... agora a sério: este texto é tirado de onde? e quem é o charles de la folie que tem sempre uma frasesinha pra treta? ;-)

TMara disse...

e pelo k li foi um óptimo apetite. Passa lá por casa (post de 10 de Set.) precisamos de ti. Bom f.s.Bjs e :)

Bino do Abrupto disse...

É uma gaita. Eu tem tento ter boa música no meu blog, mas este gajo da Costa não me dá hipóteses. Hehehe agora a sério, o teu blog é o blog com melhor música no mundo.
Um abraço, Carlos.

stela disse...

Olá,
passei por aqui, li e gostei!
Óptimo Blog!
beijinhos

Paula Raposo disse...

Sim, é isso mesmo, por mais perdidos que os passos sejam, há uma direcção que tomam...beijinhos, gostei do texto, a música distraiu-me da leitura!!

Freddy disse...

Continuas a bater mto mal...Mas força!Continua!

Abraço e a Zona Franca is back... The bar is open!!!

persephone disse...

a vida sempre bela

*

persephone disse...

ou não:)

Insolente disse...

o blog tem bom ambiente... boas palavras e musica... estasse realmente bem aqui... bem hajas homem da costa

augustoM disse...

Gostei muito do texto do qual destaco: "Os sentimentos corriam ao sabor de qualquer coisa pouco perceptível, mas que fazia parte integrante da imaginação que nos faz viver o dia a dia."
"Corria à procura do imediato, do inesperado e pouco ou nada fazia sentido, quando mais corria mais passado ficava."
Com estes dois textos, na minha opinião, consegue dar uma ideia muito real da nossa vida.
Um abraço. Augusto

Ricardo Leal disse...

Por vezes, os passos seguem direcções erradas...

Su disse...

como penso q podes estar ao tele com o bin.....:))))
vim até cá e te digo gostei, adorei, enfim, amei o q li, o que ouvi, o q vi ...
voltarei
jocas

Su disse...

ops esqueçi .. é tanto xanax , mas a foto ..ai a foto ..tem um q de madonna :))))) gostei mm

kikas disse...

Gostei especialmente da última frase, a vida é sem dúvida muito preciosa! Temos que lhe saber dar o devido valor...
beijocas
kikas

Micas disse...

Se colocarmos paixão em tudo aquilo que fazemos, sim a vida será sempre bela e preciosa. Eu acredito nisso e tu??

Bárbara Vale-Frias disse...

Gosto sempre de passar por aqui ler o que escreves mas, às vezes, não percebo porquê, não me é possível comentar :(

Mas hoje foi! Gostei do texto... agora, aquela imagem é que me deixou com alguma claustrofobia ;)

Anónimo disse...

os passos por mais perdidos que sejam tem sempre uma direcção. Faz-me lembrar a resposta que dou frequentemente quando me perguntam: Como tiveste coragem de te meter num fiat punto e ires assim para França sem conheceres o caminho? Porque o mundo é redondo e por mais que pareça perdida acabarei por vir dar sempre ao ponto de partida.