quarta-feira, setembro 21, 2005

Enconado

(…) Quem o conhecia… sabia que ele não era assim, que não era um enconado… era sim reservado, mas… todos faziam questão de lhe chamar isso mesmo enconado.
Era um moço simples, de famílias simples, gente humilde e trabalhadora. Tinha o cabelo liso, cortado geometricamente, fazia com que aquele castanho claro se transforma-se num rio de cabelos que espelhavam o Sol e o faziam cintilar.


(…) Nem sempre foi assim, naquela pequena aldeia, ladeada por muralhas de outros tempos. Há registos e Estórias que há muito tempo, no tempo em que o fogo ainda era vermelho e o céu se vestia de outras cores, aquela aldeia não passava de um sítio onde copular era uma arte e crescer uma dádiva.



(…) Os seus lábios eram de um vermelho esbatido os olhos claros e indefinidos. O seu nariz era de traço fino um traço de escultura agraciado por Deus. As suas mãos tinham prazer em tocar, em expressar sentimentos eram de uma veludez pouco ácida e corrupta, raramente pervertiam os seus sentimentos, talvez por isso o chamavam de enconado

(…) Havia um sítio onde tudo podia ser explicado, era no meio do bosque, um bosque com tantos anos, que nem se atreviam a conta-los. Mas era revelador, as árvores murmuravam sons só perceptíveis pelos eleitos, falavam de coisas estranhas, de homens que haviam de chegar, outros que haviam de partir e pouco ou nada destas histórias tinham a ver com o ciclo da vida, mas sim com….


(…) Era um rapaz alto para a idade, aliás ao certo ninguém sabia a sua idade, só que era um enconado. Mas andava por ai entre os muitos e poucos ou por muitos que fossem poucos pareciam, qualquer coisa assim do género. A sua maneira de vestir no mínimo era muito estranha, mas era a sua e ninguém tinha nada a ver com isso, só que nem sempre era assim, por vezes era ultrajado, injuriado e outras coisas mais.




(…) Aquele lugar, perdido no meio do nada onde o murmúrio era uma forma de falar e de dar a conhecer algo inexplicável… estava preste a perder a identidade ou talvez não, naquele dia quando alguém com um archote numa mão e uma lata velha cheia de gasolina, estava prestes a acabar com aquele lugar estranhamente lindo, naquele momento em que o archote ia ser lançado, uma mão apareceu do nada e agarrou-lhe com uma força fora do normal no pulso.
Ainda hoje se fala que a linha da vida do Enconado está encrostada naquele pulso.

Apeteceu-me


"As sombras por vezes são mais reveladores que o nosso EU" Charles de la Folie

34 comentários:

nascitura disse...

Interessante.
Obrigada pela visita.

Isabel-F. disse...

gostei de ler...

vim agradecer-te a info.

bjs

Fernando B. disse...

Uma bem-humorada crónica, não enconada...

Claudia Perotti disse...

Gostei muito do texto!
Beijos, menino inspirado!

abox disse...

LOOOOL gostei!!!

Freddy disse...

E apeteceu-te mto bem...Crica ao poder...

Abraço da Zona Franca

public pervert disse...

Nada de ilegal.
Os enconados são os que mais têm a dizer.

mónica disse...

há aí um enconado q n tá a bold, rapaz alto pra idade, lapso? afinal um que é um enconado?

nana disse...

hehe!
olha que ser um "coninhas" também não era melhor!!!
;)

Su disse...

eheheh
eu conhecia-o..era mesmo um enconado:):)

jocas maradas

Natalie Afonseca disse...

Hehehe!!
Tou a ver que não sou a única a rir imenso depois de ter lido este teu post!!
Fantásctico "enconanço"!!!
Hehe!! Que mau....hehe!
Beijinhos

vero disse...

loool... Gostei de ler!
Venho agradecer o comentário no meu blog... espero k apareça por lá mais vezes!
Beijos*
:)

Princess disse...

Olá!Obrigada por ter me visitado em meu blog!Gostei daqui,os teus posts são muito sensíveis e poéticos...Aparece sempre que quiseres!Abraço grande!

Adryka disse...

Tens o dom de me fazer rir logo manhã cedo...Beijokas Carlos

Inha disse...

Caso para dizer... sorte do enconado! ;)

heidy disse...

Já existia o entroncamento... agora fica o enconamento, salvo seja... doido!

besos

Paula Raposo disse...

Bom texto, interessante, e bem visto !! Não estranhes a minha ausência, mas não vou estar para te visitar, em contrapartida tu podes visitar-me. Volto quarta feira. Beijos, bom fim de semana

A. Duarte Lázaro disse...

Não há como não terminar de ler os teus textos com uma gargalhada... mesmo qd isso é a última coisa que temos vontade de fazer...
Beijinhos meus aí para casa

O Micróbio disse...

No dicionário tal adjectivo não consta... o que dá azo a mil e uma interpretações. Mas o texto não engana! :-)

pisconight disse...

O que não falta praí (para + aí) é enconados!!!

Fora de brincadeiras, enconar não deveria ser metê-lo lá dentro?

;)

yatashi disse...

ehehehhe :)

Vim deixar um abraço.
Rose

P.S ------------> A Deusa Do Mundo Subterrâneo foi-se. Mas o nome até fica ali bem na lista, hein.

*

heidy disse...

I would say I'm sorry if I thought that it would change your mind
But I know that this time I have said too much, been to unkind
I try to laugh about it, cover it all up with lies

I try to laugh about it, hiding the tears in my eyes
Cos' boys don't cry

Paula Raposo disse...

Apeteceu-me...visitar-te de novo para te agradecer o comentário no meu último poema...há coincidências que são mesmo coincidências!! Eu odeio penhascos! Beijos para ti

gajomailindo disse...

"veludez pouco ácida e corrupta" hehehehehe!

GNM disse...

Agradeço-te muito a tua amável visita que me permitiu descobrir este teu excelente blog!

Gostei imenso de te ler.
Imaginção é coisa que não te falta!

Vou linkar-te para te acompanahar...

Fica bem!

Isabel-F. disse...

BFDS



bj

Pinto Ribeiro disse...

...agora fikei eu kus pensamentos enkonados...boa tarde.

chaka disse...

o k (uma) cona nos pode fazer pensar...
bolas!

Manoel Carlos disse...

Será que em Portugal o significado é o mesmo do Brasil?
No Brasil, cona é vulva.
No Brasil, depreciativamente diz-se que alguém mora no cu do Mundo, mas na cona é novidade.

Uma estrela errante disse...

Bom dia!
Nada melhor que começar o dia bem disposta.
Gostei do teu texto!
Obrigada pela visita ao meu blog.
Um beijo meu

Bino (Abrupto Sexual) disse...

Tu escreves bem (quando digo bem, é mesmo muito bem). Mas a tua leitura não é fácil para um gajo como eu: obrigas o leitor a dar-se ao trabalho de preencher as reticências. Ficas-te muito pelas meias palavras e a malta que adivinhe. Eu até sou um gajo considerado esperto (obviamente por gajos mais parvos do que eu), mas tenho as minhas limitações. Por exemplo, uma fulana leva-me para um quarto e começa a despir-se, ali à minha frente. Eu ponho-me a pensar qual será a ideia dela...
Percebes onde quero chegar ? Tenho dificuldade em adivinhar os pensamentos dos outros, dificuldade em adivinhar o óbvio. Ora a tua escrita é tudo, menos óbvia. E isto, obrigares-me a pensar logo às 9h30m da manhã de Domingo, não se me faz. Daí, este meu comentário aparvalhado, próprio de quem ainda não acordou completamente.
Por outro lado, para terminar, não sabia da existência dessa localidade "Cona". Coina, sim, conheço até bem, mas cona, nops. Abraço [[]]

Menina_marota disse...

Óptimo texto... gostei da descrição...nada enconada, dum enconado...

Um abraço e bom domingo ;)

candida disse...

:) só li o 1º parágrafo do enconado e a imagem dos ciclistas. o texto promete. um dia destes apareço para ler com mais tempo o teu blog. tu não me pareces nada enconado:) mas se fores tb não há problema.

Binoc disse...

Foto nova e mais uma data de cenas novas. Sim, senhor... O puto faz surf.
(puto, porque sou mais velho que tu :P)
Abraço