sexta-feira, junho 03, 2005

1 SEGUNDO (Apenas)

1 Segundo (apenas)


(...) O remate era de uma violência impressionante, faltava muito pouco tempo para o jogo terminar...
... Estava uma tarde primaveril, no Estádio corria uma aragem de arrepiar a espinha, não é que fosse uma aragem vinda do artico ou coisa que o valha, mas sim porque naquela tarde, naquele jogo decidia-se muita coisa, as pessoas vibravam, gritavam. A festa estava bonita, era bonita, mas alguém ia sair triste dali.
A uns 25 metros da baliza, um dos jogadores fintou um adversário, simulou sobre outro, fixou a baliza, naquele momento, todos os movimentos pareciam ser feitos de uma violência demedida e barata, mas não, era em esforço, mas não era violento. Armou o remate, a bola saiu do seu pé com uma força brutal, estava ali colocada toda a esperança de um ano, estava ali a sua tristeza ou alegria, estava ali o seu momento de glória, um momento que podia transformar a sua vida, em menos de 1 segundo tudo podia mudar, a sua vida, o jogo, muitas familias apaixonadas pelo clube, muitas coisas mesmo, algumas que nem sequer estão ao alcance da imaginação de quem desferiu aquela ponta de esperança.
Por vezes parece.. mas ali dentro não se trata de vida ou de morte, mas.. mas lá dentro fica o suor de muitos dias de vida a treinar no duro em que se chega a casa cansado de morte, de vida ou de morte nunca, aliás falar nisso num jogo, que não é o jogo do dia a dia, o jogo das nossas vidas, parece-me demasiado cruel para quem pouco ou nada ganha para o sustento das suas familias e trabalha de sol a sol.
Pouco menos de 1 segundo, em pouco menos de 1 segundo sabe-se , quem fica triste quem fica alegre. Do outro lado.
Pés fixos na relva, pernas flectidas, braços descaidos sobre os calções onde os puxava, para não lhe prender os movimentos, o seu olhar era como uma auto estrada em direcção à bola, ali não havia mais nada a não ser a bola, um esférico, que pesa pouco mais que 400 gramas ou coisa o género, branca com efeitos pretos que com velocidade, parece fazer aquelas sombras chinesas, que se projectam com as mãos na parede.
A sua concentração era enorme, na altura em que o remate é solto, ou desfraldado com aquele pontapé fogoso, impetuoso, irasível, sei lá colérico, naquele momento, susteve a respiração e tudo parou à sua volta.
Ficou um silêncio ensurdecedor, a sua volta parecia ter ficado um vazio enorme, falamos em apenas 1 segundo ou menos, uma fracção apenas.
Nas bancadas, podia-se ver que havia gente a gritar. Naquele momento, os olhares estavam todos em cima dele, os casais agarravam-se alguns vincavam os dedos nos braços dos parceiros, ou vizinhos, de tanta força que faziam, os movimentos das bandeiras pareciam uniformes, os cachecois em cima, as gargantas pareciam estar afinadas e a espera do momento ideal para soltarem cá para fora toda tenção que se reuniu, que se foi guardando, o momento mais desejado por muitos.
Mas o momento agora era de outro personagem. Ali estava ele cara a cara com o seu utensilio de trabalho a bola, estava a estuda-la tinha uma fracção, só uma fracção para a estudar, para ver a sua trajectória, que caminhos queria tomar, pra onde ia viajar, não a podia deixar ganhar vontade própria, os seus olhos, pareciam querer fechar, para o seu pensamento ir mais longe, muito mais longe. Abstraiu-se de tudo, sabia que nas suas mãos podia estar a alegria ou tristeza de muitas gente, muitas pessoas, muitos adeptos, muitos e muitos seres, que vivem e respiram futebol no seu dia a dia, que fazem disso não o seu modo de vida mas o escape das suas vidas. Naquele momento, no momento que decidiu, que viu, que analizou, que observou que sentiu... deu um salto em frente vincou os pés nas relva, flectiu as pernas, ganhou elasticidade, pulou, voou, o seu corpo esticou-se por complecto, soltou-se do chão, naquele momento naquela fracção de segundos, deixou de estar em contacto com a terra, com o solo, com a relva, os seus olhos fixavam atentamente a bola, o seu caminho... por momentos, pensou em fechar novamente os olhos, mas não o fez, esticou um dos braços abriu a palma da mão, da sua enorme mão, onde uma enorme e fofa luva a envolvia. Naquele momento, onde já nada mais importava, aquele “Segundo” aquela fracção de segundo terminava.


Dedico este texto a uma pessoa que gosto bastante, chama-se RICARDO é Guarda Redes do Sporting e da Selecção Nacional.



E já agora obrigado Rui Jorge foste grande em Alvalade

Apeteceu-me

" Quer se queira, quer não tudo se passa numa fracção de segundos" Charles de la Folie

28 comentários:

Ruvasa disse...

Viva!

Quer juntar-se a nós?

http://ruvasa.blogspot.com/2005/06/399-comisso-de-luta-contra-excluso.html

Cumprimentos

Caxolinha disse...

Tadinho do Ricardo!!
Teve azar, foi mesmo aquele segundo que bastou, e me deixou triste. :(
Não podemos ganhar todos!!...
Para o ano há mais.

Depois de muitas visitas aqui, resolvi deixar um comentário. ;)

A. Duarte e Lázaro disse...

Epah... não percebi. Foi golo? Marcou? Defendeu? DEsculpa... não percebi mesmo.
E... BOLAS!!!! Este segundo demorou uma eternidade!!!!!!
Estava a ver tudo em camara lenta. Os movimentos do jogador, as expressões faciais, a multidão que se agita no estádio. Que lindo. Aqui demonstraste com perfeição a paixão que tens pelo futebol.
E não, aqui não há gente má. Foi por isso que aqui vim antes de partir para terras scalabitanas. POrque precisava de me recordar de que há gente boa.
Beijinhos de fds p vós. ****

Rosie disse...

Segundos há que são mesmo uma eternidade, e permanecem eternidades connosco...
*

Cris disse...

Chamaram-te mau?!?!?... :)
E quem teve a ousadia de cometer uma heresia dessas?...
Não se faz...

Pois eu n percebo nada de futebol, mas q há segundos na vida q são decisivos, nisso estou plenamente de acordo...
Olha só... a primeira vez q aqui entrei já ia a dar meia volta aos pézitos qd uma voz extraordinária me fez recuar... Num segundo, voltei-me de novo para o texto e fiquei presa...
De então para cá, por aqui ando sempre... Num segundo prometi uma birrita e hj vesti um sorriso de 1,63m qd aqui entrei...

Mau?... Que heresia...
;)

Beijinho doce

Cris disse...

Well... I confess... I'm surrended!

:)

abox disse...

obrigada pelos parabéns e pela visita :)

SCP forever!! :)

maresia disse...

ai os momentos... e essa voz de fundo...

BlueShell disse...

heheheh...isto vai ser do melhor.

Estou quase boa do traseiro. Obrigada. Jinho, BShell

Abc Dário disse...

Vem um manhoso(eu) de longe visitar esta bela fatia de net.
Agora vou ler o que se passa aqui.
É sempre bom conhecer novos cantos da blogosfera(se é esferóide não tem cantos)...mas mesmo assim...
Adoro pessegos, mas não lhes posso tocar. Que coisa má.
Abraços.

Å®t_Øf_£övë disse...

Carlos,
Bela descrição esta de como alguém dizia "a angustia do guarda-redes no momento do penalty".
Apesar de não ser mesmo nada sportinguista,tenho que reconhecer que o Rui Jorge foi e ainda é um grande jogador de futebol,e um grande homem também.Um exemplo a seguir pelos mais jovem,onde todos sem exepção devem por os olhos.
Afinal tem um a belissima escola....eheheheheh.
Bom fds.
Abraço.

lazuli disse...

Este som está...magnífico..pois é.. como pode haver maus na república dos pêssegos?:)
Além disso, o Ricardo é um daqueles jogadores que ficam. Ficam nos jogos, e no coração de muita gente..
Um beijo!

Micas disse...

A mim o futebol passa-me ao lado, acho até que deviam acabar com o futebol profissional, são uma verdadeira afronta os ordenados que ganham qd há tanta miséria no mundo...de qualquer maneira há mesmo segundos na vida q são decisivos, e claro que até simpatizo com o Ricardo :))
A música do melhor, claro U2 vou vê-los no próximo dia 12! Beijos e bom fim de semana

Brengas disse...

pois...a quem o deteste e ha quem o adore...tem o carisma e o poder de se tornar grande e voar...as vezes em vão...
Abraço, bom fim de semana e parabéns pelo post!

Garota Proibida disse...

Agenda da Felicidade

O sorriso... é o cartão de visita das pessoas saudáveis.
Distribua-o gentilmente.

O diálogo... é a ponte que liga as duas margens, do eu à do tu.
Transmite-o bastante.

O amor... é a melhor música na partitura da vida.
Sem ele, você será um(a) eterno(a) desafinado(a).

A bondade... é a flor mais atraente do jardim de um coração bem cultivado.
Plante estas flores.

A alegria... é o perfume gratificante, fruto do dever cumprido.
Esbanje-o, o mundo precisa dele.

A paz da consciência... é o melhor travesseiro para o sono da tranqüilidade.
Viva em paz consigo mesmo.

A fé... é a bússola certa para os navios errantes, incertos, buscando as praias da eternidade.
Utilize-a sempre.

A esperança...é o vento bom enfunando as velas do nosso barco.
Chame-o para dentro do seu cotidiano.

Acreditamos que com essa agenda... a felicidade pode ser a companheira e aliada para tocar o barco da vida.

Pecola disse...

E nem todos os momentos na vida são futebol. :)

xAnDy disse...

Gostei mto do teu blog!! Continua assim. Realmente pensando bem, os melhores momentos (principalmente) passam-se todos em segundos. Às vezes nem dá para desfrutar como queríamos... Quando tiveres oportunidade passa pelo meu cantinho também. Beijocas***

AmigaTeatro disse...

SLBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBB,

Porque me apeteceu, apenas!! xD

D disse...

ingrata a função de guarda-redes...
mesmo que a equipa do sporting tenha estado mal, as pessoas vão-se lembrar sempre das "defesas" do ricardo,esquecendo-se que o futebol é um trabalho de grupo muito bonito.
um beijo e bom fim de semana

Ana disse...

Levaste-me a um local onde nunca entrei... um estádio de futebol. Obrigada pelo convite. Voltarei em busca de pêssegos que o teu blog promete.
Um beijo.

zezinho disse...

Bem, finalmente com a saída do Ricardo vamos ter um guarda-redes.
Lamento a saída do Rui Jorge. Nunca vou entender o Sporting.
A descrição está óptima.
(Apre...ainda não parei de trabalhar)
Abrações....
Onde andaram? Liguei para casa e nada!

agua_quente disse...

Xiii... Vim cair aqui num cantinho de lagartos, foi? :)) Bom, pronto, falem lá desses senhores á vontade que eu náo percebo nada. Mas o teu texto está muito bom. Beijos

O Micróbio disse...

Ena... até o Ricardo merece dedicatória... :-)

A. Duarte Lázaro disse...

Olha, imagina quem acabei de encontrar na FNA de copinho de tinto na mão?
Não... não foi o Ricardo.
Foi o Peseiro!
Uns amigos sportinguistas correram a pedir-lhe satisfações.
LOL

paperl life disse...

Mau? o Ricardo mau? só o pessoal leonino é que lhe chama isso. São uma minoria.

Eu sou portuguesa.

:)

Malae disse...

Excelente o texto! E aproveito para juntar as minhas palavras ao agradecimento ao Rui Jorge! Não merecias o que o SCP te fez... obrigada pelo profissionalismo e dedicação ao clube! O futebol agradece-te o que por ele fizeste! Boa semana, caro Carlos. Malae********

Isabel Magalhães disse...

Olá Carlos,

Vim retribuir as visitas e dizer que sou do SCP - embora não perceba quase nada de futebol! :)
Ah! Gosto do blog... e os pêssegos fazem fome! :)

Hélder Lemos disse...

Eu também gosto muito de frango! Bom fim-de-semana!