quarta-feira, julho 27, 2005

RAIO de LUZ



(...)Nada de muito especial – Um dia normal, cheio de luz e energia que chegava, para... para isso mesmo. Nesse dia, nesse mesmo dia descobriram que a Terra girava a volta do Sol, mas nesse dia não era isso que importava. Aliás que importa que a Terra gire a volta do sol, isso importa ?!

(...) A Luz chegava numa espiral, parecia um sonho, talvez um milagre naquele sitio a Luz era mais brilhante, mais... mais muitas coisas, parecia ter estrelinhas, muitas estrelinhas a brilhar, parecia magia, um raio de Luz a sair de uma varinha mágica, mas ali, naquele espaço onde as flores estavam mais brilhantes, estupidamente bonitas e delicadamente compostas, não havia mais nada, a não ser aquelas bonitas flores e erva, erva selvagem que bailava ao sabor do vento que a espiral de Luz fazia...

(...) Espreguiçava-se, estava deitado naquele campo verdejante acabado de sair de um livro, de um belo livro de histórias de encantar, belas historias imaginárias que brotam de um sem numero de páginas que se escancaram de prazer, que se lêem como quem come cerejas.
Levantou-se, olhou para o céu, levou as mãos a cara e esfregou os olhos despertou daquela sesta que tão bem lhe sabe, correu para o ribeiro para lavar a cara e.. no reflexo, viu, pois viu...

Raio de Luz

(...) Atirou-se lá de cima, ninguém estava a espera, nem ele. O dia tinha sido de festa, mas a reacção foi espontânea, talvez premeditado, o sinal parecia obvio.
Naquele trajecto, curto trajecto ouviu-se um grito que arrepiou toda as redondezas. O grito veio de dentro, veio da alma, chegava e sobrava para afastar o medo.. foi o seu primeiro salto e de certo o ultimo. O burburinho que se ouvia o diz que disse, era que ao fim de tantos anos ele conseguiu.

(...) O dia era especial, muito mesmo, podia-se dizer que... era o principio de muitos, muitos dias a dois, ou a três, ou a quatro, não importava, a quantos seriam.. mas era o principio do fim...ou o fim do principio... mas que importava, conseguiu dizer o que lhe estava na alma há muitos anos.

Apeteceu-me

"Nem sempre a Luz nos encandeia, ás vezes ofusca-nos"Charles de la Folie

13 comentários:

pachita disse...

Raio de Luz és tu que escreves tão bem :) E há sempre pêssegos aqui para as visitas.
Beijinhos

Delírio da Loirinha disse...

Olá! Muita sombra é como muito luz... impede-nos de ver...
Beijinhos doces

maria_arvore disse...

É um murro no estômago que gostei de ler.

moon between golden stars disse...

Às vezes a escuridão permite-nos ver pormenores que os raios de luz escondem...

És mágico... não me canso de te dizer isto...

Um abraço

Viuva Negra disse...

heheh esta giro, gostei, que musica é esta?!?!? hemmm

Olha consegui alterar o meu blog todo , esta muita giro... esta claro que tive uma ajudinha, muito grande

inesita disse...

pois é. uma vez malabarista e acrobata, para sempre malabarista e acrobata. Agora tanto estímulo,como consegues? a culpa deverá ser da travessia no deserto

Estrela do mar disse...

...hoje há festa na CLAVE...se puderes aparece...

Beijos.

anonymous_person disse...

republicado ésse pêssegos

heidy disse...

Obrigado pelos pessegos. poderiam ser cerejas..... mas não faz mal. :)

contadordehistorias disse...

Falta por vezes apenas uma palavra...

abraço

Bino (Abrupto Sexual) disse...

Excelente música. Um abraço

inesita disse...

verdadeverdadinha, onde está a verdade?

Estrela do mar disse...

...Carlos...venho-te desejar um bom mês de Agosto porque vou de férias e só regresso em Setembro...até lá...

Beijinhos.