sábado, abril 09, 2005

Coisas da Vida

Chama-se Frederico Luis Cochat Bagorro Sequeira, não é procurado por ninguém, é menino "Queque" de Cascais, ou da Linha apesar que Linha lembra-me sempre o combóio. Na obstante ( esta vai cair-lhe que nem ginjas) dos seus 58 anos, é muito mimado, mas também um grande amigo, um amigalhaço.
Num desses dias mais complicados, para a minha cabeça, estava ele comigo, e para me animar, levou-me a um supermercado e comprou uma caixa de gelados, sentamo-nos num passeio no meio da rua a comer os ditos no meio de repasto, teve a seguinte afirmação:- Óh Carlos tu apesar de andares com a cabeça toda "Lixada" estás sempre a sorrir e com um brilho nos olhos.
respondi-lhe:
Vou-te mostrar porquê.. e comecei-lhe a fazer o filme daquilo que via e porque andava sempre a sorrir, porque sou uma pessoa muito DADA.

Coisas da Vida (amigos)


(...) Estava um dia solarengo, um dia bonito, o céu sem nuvens... não fosse o carro estar na oficina, e seria um dia quase perfeito...
(flash 20 seg, o resto só eu vejo)(...) 6 gelados quase em riste, na outra caixa, uma mulher, uma menina, uma senhora, reparei que tinha casado a muito pouco tempo, a aliança brilhava, um brilho de muito novo, de muito recente, era uma aliança farta.
Era bonita, muito atraente, cabelo castanho claro, curtinho quando voltava a cara uma das pontas tapava-a, olhos cor de mel. Um corpo cheio de genica, mas quem conhece mulheres, notava que era um corpo cheio de desejos, era um corpo cheio, uma pernas nem muito grossas, nem muito finas, bem delineadas, as ancas de boa parideira, mas ainda sem filhos. Vestia uma blusa discreta, e uma saia de camurça que passava dos joelhos.
Estava decidido a reparar discretamente naquela mulher, mas fui apanhado por um sorriso, e depois por um rosto a ruborizar-se. Via-se que não era sua intenção, que não tinha sido sua intenção fazê-lo.
À primeira vista tinha tudo para ser feliz, casada à muito pouco tempo e com quem sempre amara, estava escrito pelo seu corpo, pela forma de pisar até de vestir.
As suas compras, enquanto o gelado derretia-se na minha boca, reparava nas suas compras, coisas simples, muito simples, para a lide de casa, deveria ter a empregada de férias, ou coisa do género, ou então viu-se abruptamente, sem ela, poucas coisas para comer, de quem não esperava visitas e provavelmente nem o marido para comer, começava-me a aperceber, olhei para a rua de relance e vi o parque de estacionamento, de todos os carros sobressaia um, olhei para as suas mãos e deduzi, que era médica, deduzi que só podia ser ela, mãos finas e muito pouco trémulas.
Claro que podia estar enganado, pelo menos no carro, se fosse o dela tinha um digito a dizer médico, mas... podia ser de outra pessoa, reparei novamente, num olhar muito discreto entre as farripas da sua franja, um olhar tímido mas muito esclarecedor, estava a ficar tentado, muito tentado, mas estava impedido de movimentos, só queria perceber, porquê? Porquê, porque estaria ela infeliz, porque olhava assim para mim!? Só podia ser. Ela era enganada pelo marido, não havia outra hipótese, namorou uma vida inteira com ele e depois quando casou, apercebeu-se que lhe restava um inferno, pela frente, apercebeu-se demasiado tarde. E agora não sabia que fazer, provavelmente ele já nem se quer ia a casa, a aliança era só para manter as aparências. Mas reparei, num pormenor num spray para engomar golas de camisa, por certo não seria para ela, por isso enigma resolvido o marido mantinha-se por lá, mas também é verdade que podia ser para o pai.
Claro podia ser para o pai, ao aperceber-se da infelicidade da filha foi conforta-la.
Mas tudo isto eram suposições, conjecturas da minha cabeça, não seria a primeira vez que ela me traia lembro-me do atentado ao presidente da junta de freguesia lá da minha terra, consegui, ver um atentado, parecia um filme de Hollywood, mas afinal a montanha tinha parido um rato.
Apesar das poucas coisas, levavam-se em dois sacos, ela não quis esforços e leva-as no carrinho. Quando a vi pagar, ai não tive duvidas do que pensava, para já que tinha dinheiro, não para as compras, mas tinha, aquela panóplia de cartões de crédito, demonstravam bem isso, que ali abundava, dinheiro podia ser só fogo de vista mas não me parecia, olhou novamente, entre a empregada da caixa e os cabelos, olhou e desta vez fixou-me de tal maneira que o meu colega de gelado, assustou-se, até aquela altura ainda não se tinha apercebido, falava, gesticulava, fazia interrogações sobre o preço das coisas, ás vezes dava-me a sensação que ele queria falar sobre a influencia das margaridas na cultura da batata, mas era demasiado intelectual para o sitio e para a altura do dia...
Olhei novamente para ela, ali à distancia não consegui ver o nome, bem tentei olhar para o cartão, mas estava demasiado longe.
Acabou de pagar, meteu a sua mala a tiracolo, agarrou no carrinho empurrou-o com a gentileza de uma bela mulher, ao passar por perto de mim, com o indicador, apontou em minha direcção, o meu estômago deu um salto, um enorme salto, parecia que a carruagem de uma qualquer montanha Russa estava a descarrilar, fixou-me os olhos e disse-me :
- Desculpe lá limpe o queixo, que está cheio de gelado, e sim sou médica sou.


Dedicado ao meu amigo "Fefas"

Apeteceu-me

As aparências têm o mérito de serem só aparências nada maisCharles de lá Folie

Desculpem a musica apesar da letra acho-a quase perfeita - "Brazilian Girls"

19 comentários:

mj disse...

Charles doben!...tu és único...és tu...mantém-te sempre assim...sempre com essa capacidade de dar à volta por cima, em qq circunstância..sempre com esse sorriso no rosto e brilho nos olhos..sempre com esse espirito jovem dentro de ti..e quem não consegue ver para lá das aparências não te conhece...
Adoro-te..beijo grande e um abraço do tamanho do mundo

Kal disse...

LOLOL!!!! epah, é mt bom!! adorei! iss aconteceu mesmo e e fruto da imaginaçao? adorava ter assistido à cena =P abraço

Lília disse...

Uma das magias dos textos do Carlos é nunca perceberemos se são reais ou apenas (o que não é pouco) fruto da sua imaginação, Kal!!! Tens todo o direito de perguntar, mas não me parece que um mágico conte os seus segredos! As coisas são como as vemos e como as queremos acreditar! E essa é a melhor forma de mantermos sempre um sorriso nos lábios! E essa é outra das tuas magias, Carlos!

Já agora... Isso aconteceu mesmo!?!? ;)

LUA DE LOBOS disse...

embora prefira "um pastelinho de bacalhau" diz lá por onde anda esse Tio da Linha ::))
xi
maria

agua_quente disse...

Que delícia! Altos filmes que tu deves fazer quando olhas para alguém com olhos de ver... Adorei. Beijos

Menina_marota disse...

Até que enfim, que aqui consigo entrar!!

Quem terá deixado a porta aberta!

Muito bom o texto! Li-o 2 vezes e, não me surpreende que tenha acontecido, tal a convição da história.

Abraço alegre ;-)

LUA DE LOBOS disse...

pelos escritos... pela música... por ti... pelos amigos comuns... ou não... porque me apetece... porque sim.
xi
maria

Anónimo disse...

Charles!
Um beijo grande :)
mj

TMara disse...

podia ser só garridice, coqueterie...Mas uma belíssima descrição (fantasia ou n/!).Boa semana. Bjs e ,)

MarPuro disse...

Já há algum tempo que visito o teu blog, mas penso eu que nunca deixei mensagem alguma... mas quando venho aqui é pensando: "vamos lá ver o que é que aquele 'maluco' escreveu"... bem, maluco não tens de nada... mas é aquela forma carinhosa de tratar um gajo que a gente encontra lá pelas esquinas das tascas de Alfama, ou de Almada-Velha, numa sexta-feira á tarde: o Sol a brilhar em clima quentinho e um gajo pronto para já não ir a casa, mas, sim, com aquela vontade de deixar a coisa correr e enfiármo-nos pela noite dentro, na busca do incógnito sempre igual e sempre diferente em terminam as noites de directa...

Dualeto

www.marpuranima.blogspot.com

O Micróbio disse...

Com que então "apeteceu-te" dar de caras com uma médica de fazer parar o trânsito... :-)

Vera Cymbron disse...

Olha, hoje só te digo também isto:
COISAS DA VIDA...
Jinhos...apeteceu-me.

Micas disse...

Faço minhas as palavras da Lília. Já tinha saudades de te ler, venho sempre que posso e leio tudo o que estava em falta. Gosto de te ler Carlos :)
Beijo

isa xana disse...

adorei a descrição toda e o fim... epah, ri=p

***

Carla disse...

Sempre para ficar sem fôlego :) Mulheres bonitas são incompatíveis com o momento de comer gelado. A boca só consegue escorregar para um dos lados :) Beijos :)

Anónimo disse...

Hum...imaginação fértil..
Onde está a médica boazona?
RAG!!!

mj disse...

Charles doben!
Boa sorte para mais logo...vou torcer uma vez mais pelos vizinhos da 2ªcircular :)
Beijo grande

alfinete de peito disse...

Palavras carnais; interesse sensual; olhar cumplice; desejo de realidade ou realidade imbuida de desejo?
Humm, seja como for, delicioso!
Grande abraço!

Temos dito.

Ass: Mercado e Grizo

letrasaoacaso disse...

Desististe?!
Onde andas?
Hum...