quarta-feira, março 09, 2005

A Coisa Pública

A Coisa Púb(l)ica


(...) ultimamente não paro de ouvir falar da coisa pública, a coisa para ali, a coisa para aqui e tenho-me interrogado o que é a coisa, aliás eu sei o que é a coisa, sei o que é coisar, o que é o coisinho sei o que é uma serie de coisas com o coiso.
Agora a coisa pública, eu lembro-me de quando andava na escola, há muitos, muitos anos, na primária, há muitos mais anos, há tantos que já não me lembro, de dizer com um ar envergonhado:
- mostras-me a tua coisa?
E respondiam-me sempre:
- só se me mostrares a tua.
Mas esta era privada, era nossa não era pública não havia espectadores e lá mostrávamos, ela os cromos da Heidy o mais difícil e eu os do Vicky, por vezes quando éramos mais promíscuos, mostrava-lhe um cromo que eu tinha do Sandokan em tronco nú e ela mostrava-me a lady Diane em roupão era uma coisa que nem vos conto. Contar conto era uma coisa que não era pública.
Estava aqui a pensar se a coisa pública não será prostituição, bom talvez não ainda não vi em lado nenhum vender a coisa, mas há coisas que se vendem, vendem-se e de que maneira e só ficam mesmo os anéis, e o público que se lixe, mas mesmo assim resta a coisa, mas que coisa! Pois a coisa, lembro-me dos vendedores de feiras, com aqueles microfones muito fanhosos de fazer inveja a qualquer vendedor de karaokes, vendedores e cantadores, cantadores de grandes coisas, algumas públicas, claro neste caso é prostituição será se a musica pode ser uma coisa, se o público tem acesso e compra, bom mas isso é partindo do principio que a coisa é mesmo coisa e que é pública.
Mas o que será uma coisa, esta busca desperta-me emoções, sentimentos e prazeres, ai que prazeres esta busca incessante da coisa, a coisa da coisinha, a coisinha era sempre a vizinha que por sinal era amiga da prima, que era a tarada da rua, tarada no sentido, sim no sentido de taradisse, doida, violentamente apetecível, a primita claro.
Mas procurando a coisa no dicionário, diz lá objecto inanimado, lembrei-me logo de menopausa, não percebo porquê, deve ser desta mente conspurcada nascida nos anos 60( é a primeira vez que utilizo este argumento) já que os anos 60 são os culpados para os males do mundo por um lado, e uma dadiva de coisas óptimas até costumam dizer que a coisa ficou mais ao léu, com aquela história daquela invenção da Mary Quant da mini saia(uma boa invenção para a causa da coisa se bem que não pública ).
Bom mas continuando a minha busca, o dicionário também diz que a coisa pode ser um acontecimento ou um negócio, acho que não quero saber mais, se procurar o significado de pública, a coisa fica ainda mais complicada, fica tipo : acontecimento vulgar; negócio tornado público, já não quero saber mais com esta coisa pública ainda acabo deprimido de pensar nos milhares de pais e mães que conhecem os negócios da coisa pública das sua filhas, não, não quero falar mais da coisa, só mesmo com um advogado o melhor é levar a tribunal a coisa pública.
Não, não acredito o tribunal cível “não define coisa pública” ou por outra o Código Civil não define “coisa pública”, está tudo tramado, mas pior isto só vem piorar as coisas querem ver: Deve entender-se por “coisa pública” não só aquela que assim é qualificada por lei como aquela que está afecta ao uso directo e imediato do público.
Ora cá está a coisa, não pode nunca ser pública tem de ser um segredo muito bem guardado se não ainda nos levam a coisa, depois dos anéis há que guardar a coisa debaixo do colchão, já que no banco vale grande coisa.


Apeteceu-me

16 comentários:

Lília disse...

Já disse e volto a dizer... Admiro a tua imaginação!!

Cris disse...

Olha... "esta coisa" está muita gira!
Eu cá, baralhava-me todinha a escrever tanta "coisa"... por isso nem tento!

Parabéns pela criatividade!

Mas... afinal... no fim de tanta "coisa"... onde está a definição da Pública?

beijinho

Menina_marota disse...

Afinal... de quem é a coisa? Minha ou tua? Já me baralhei toda... eheheh
Está genial... Jinhos ;-O

pipetobacco disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
pipetobacco disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

{ ...

tenho-me embrenhado (envolvido) em teus textos
em seu sabor (de agrado) nem sempre comentado
mas gosto (desta tua forma) desta tua escrita (!!!!)
que agrada e (me; nos) vicia … parabéns (abraço)
© pipetobacco

... }

Micas disse...

Olha, eu é que já começo a perder a paciência com esta tua "coisa" dos comentários que me tem vedado sempre o acesso, será que é por lá da "Coisa da Micas" ;)
Adoro vir aqui ler-te. Beijos

Micas disse...

errata:
...será que é por vir lá da Coisa da Micas???...

sonia disse...

grande imaginação, como é que consegues ser brilante falando da coisa, lembrei-me das minhas aulas de direito em que falamos sobre coisas: tudo o que pode ser objecto de relações juridicas. depois eram o mais engraçadinhos coisa pra coisa pra lá é a coisa.
muito bom mesmo

D disse...

obrigada pelo apoio carlos,é duro aprender as coisas quando batemos em cheio de cabeça. Mas infelizmnte tamb+em existe muita gente rude neste mundo, que abusa do poder para destruir
um beijinho grnde

Anna^ disse...

Ele há cada coisa...e imaginação prá coisa é coisa q n te falta ;p~~~~~phphphp que coisa!!!

Diverti-me...gostei :)

bjokas e obg pela visita

bb disse...

COISA PARA AQUI, COISA PARA ACOLÁ.
À COISA DE QUEM FOI PARAR A COISA PARA COISAR?

litle lucy disse...

hmmm mas que coisa:\
baralhada, confusa, tonta, assim estou eu por isso o meu comentário não é nada de mais
apenas deixo te um grande beijo Rose**

Taliesin disse...

Meu caro amigo, venho pela primeira vez em seu blog, e me encantei com tudo o texto é muito bom, fez-me recordar da epoca da escola.
Abraços

Taliesin disse...

Meu caro amigo, venho pela primeira vez em seu blog, e me encantei com tudo o texto é muito bom, fez-me recordar da epoca da escola.
Abraços

Taliesin disse...

Meu caro amigo, venho pela primeira vez em seu blog, e me encantei com tudo o texto é muito bom, fez-me recordar da epoca da escola.
Abraços