quinta-feira, março 10, 2005

(Fogo) Cruzado III

(...) É claro que não tenho que pensar porque havia de pensar, isso é lá coisa de homem, quer dizer, talvez seja, mas porque tenho eu de pensar, mas agora até que estava a pensar num cigarrinho que não fumo e num cafézinho que já bebia uma cafeteira dessa coisa, ai só de pensar nisso dá-me uma volta a barriga e que vontade, vou Ter de me arrastar até à casa de banho que é uma coisa que nesta altura não dava jeito nenhum, mas tenho duas hipóteses ou vou, ou tenho de ir, das duas uma, e o que tem de ser tem de ser, tem mesmo muita força, ai, ai, o melhor é!?(...) (depois de um estrondo, um enorme silêncio)
Chiça penico que esta foi dura, parece que alguém me empurrou da cama e a cama terminou abruptamente, que grande trolitada que eu dei nem a mesinha de cabeceira escapou, isto está lindo, a minha barrida dá voltas e mais volta, o melhor é ir de gatas, só visto que contado ninguém acredita, sendo assim ainda bem que estou sozinho que a Susana não quis ficar comigo esta noite, digo eu que não quis, por certo foi para não ver esta figuras, bom mais um esforço e estou lá, está quase, ufa já está, agora basta apoiar-me e subir para o poleiro, para a amiga sanita, esta amiga que deve ter sido tão maltratada, parece que a minha pontaria à noite não esteve grande coisa, não estava mesmo nada afinada, que se lixe, nada que um bom produto daqueles 28 em 1 não resulte, aquelas lojas dos chineses são mesmo “fabulásticas”, têm lá cada produto, que até estala, bom, mas ai estava eu no sitio mais estúpido que conheço, não pela necessidade de usar isso é mais ou menos sagrado e mais ou menos rápido, mas é o tempo que se passa por ali, além da força que fazemos, que se faz, estamos ali um bocado de braços cruzados, ou com as mãos nas calças para elas não caírem com um sorriso de orelha a orelha que ninguém percebe porquê, perceber percebe-se, mas nunca é do alivio geralmente é das coisas absurdas que se observam, aqueles biblôts de casa de banho que nos oferecem e que sabemos que foi uma oferta de alguém e que por sinal já tinha sido oferecido por outro alguém e uma pessoa resolve quebrar o elo para que não descubras o azar que tens na vida e o vir a receber outra vez, por isso fica ali.
Mas a casa de banho pelo menos a minha é assim um misto de coisas, úteis e muita coisa inútil, alguém me explica para que serve aquelas coisas para levar o sabão liquido? Claro que não ninguém se dá ao trabalho para encher aquilo, é como os afther shaves, alguém usa aquilo sem ser no natal, para demonstrares a pessoa a quem ofereces, que é um excelente perfume e que
não cheira a creolina, e aquelas revistas que já leste 45876 mil vezes e não dizem nada?
Ou por outra tem uns testes a personalidade fantásticos, tipo :
Parabéns você é o novo Einstein da Brandoa ou de Massamá.
Mas já sei esses testes de cor . Ou então o que fazer para ser uma grande Dona de casa, e eu ponho-me a pensar para ser uma boa Dona de casa, tem de ter dinheiro é uma coisa que nunca ninguém pensa nisso, como podes ser dona de alguma coisa se não tiveres dinheiro?
Se tiveres dinheiro ou se ela tiver dinheiro pode ser uma boa ou uma má dona de casa, mas má porquê? Por não pagar a casa a tempo e horas? Ou porque não gosta da casa e a maltrata-a, agride-a?
Bom testes e mais teste, outra coisa inútil na casa de banho é aquela cesta ou cestos de meter a roupa suja, se está suja vai para lavar e o lugar é na maquina de lavar, se não está sujas vestes, porque tem de ir estagiar até a um cesto, calculo e olhando para aquilo que tenha por lá roupa com mais de 5 meses de estágio, ela (roupa) vai para lá e depois esqueço-me é normalmente a Susana que faz a triagem, nada de especial, nada mesmo.
Mas a casa de banho é mesmo um mundo estranho de coisas estranhas umas bolinhas com imensos cheiros de todas as cores e feitios e para que servem estou farto de me interrogar, mas nunca chego a conclusão nenhuma, até porque se o objectivo é que a casa de banho cheire bem acho que não resulta, porque pelo cheiro devo ter um “gajo” morto dentro da sanita.

Apeteceu-me

2 comentários:

Anna^ disse...

AHAHAHAHAHAHAHAAHAAH

ri do inicio ao fim...olha lá essa do mau cheiro...q tal começares a beber uma daquelas colóniazitas q te oferecem no natal e q povoam o teu trono?É q isto de deitar culpas ao morto...pareces quase a versão macabra da Agatha Christie...mas aí o culpado é quase sempre o mordomo...ou talvez não!

bjokas e obg pela boa disposição :)

Vera Cymbron disse...

Adorei o humor pela manhã...epah, estava a precisar!
Jinhos