domingo, março 13, 2005

Re-contruções

Re-Construções
Terça feira, um dia amargo, nada de especial a não ser uma coceira enorme no cocuruto da cabeça, a experiência era deliciosa, mas a chuva não batia assim.
Cocei a cabeça, com alguma insistência, até que me tocaram nas costas ao mesmo tempo que lhe saia da boca, uma série de pontos de interrogação, que se atropelavam uns aos outros e que atrofiavam a cabeça.
Aquelas interrogações eram um grito vazio de conteudo, o balão apareceu sem nada escrito, era um vazio de ideias, mas logo me lembrei que estavamos na era do cinema mudo... no tempo do rock and roll.
No tempo do sexo e do mentol. De homens que não largam o urinol.
Deprimentes de balões em riste... mulheres e homens, em despiste.
Calam-se vozes e gritam pensamentos.
Mas isso estava vago mesmo, até porque esses pensamentos eram demasido sérios para se poderem passar para o lado de cá. Aquela era uma dimensão unica, onde os pensamentos se misturavam com as vozes e quem gritava, logo ganhava, mas a vida, essa vivia-se a 100 à hora para poderem ter o que nunca tiveram
O que pensavam que queriam, numa ilusão desmedida. Uma loucura imensa, que vinha de dentro para fora, num vómito atmosférico imparável e contínuo. Um sentimento de vazio, de quarto vazio e cama vazia... de entranhas e corações vazios.
Mostravas o que querias, gritavas o que não tinhas, parecia uma alma, que não existia, a mania da tia, a vontade que queria, entrava, saia, vivia, mordia...
Ficava a tentação, o medo de não querer correr... só com uma perna
O monstro que vivia em ti, rasgou-te o peito impaciente, por algo que teimava em não chegar. Ficaste despedaçado, com o coração literalmente nas mãos, na condição inquieta e morta do ser... que tentaste ser, mas que não permitiram que fosse além do óbvio. Aquilo que vejo, pode não ser aquilo que os outros vêem, mas isso não faz de ti menos ou mais... faz apenas que sejas, aquilo que és, aos meus olhos e aos olhos do monstro que vive em mim.
Virei a esquina onde sons geometricos, andavam de ouvido em ouvido, crescia uma sinfonia, dentro da minha capacidade de levitar, era uma vontade, de te ver... de querer.
Coração prostado nas tuas mãos, serviram-me de mote, para uma noite de amor...
Mas da cabeça não saíam os sons geométricos e numa reconstrução inocente de um quadro do Escher, troquei a noite pelo dia e a verdade pela mentira, enterrei-me na cobardia assumida do ser humano.
Tentei pintar a minha vida no estilo Pollock... desprovido de planos, lancei-me no Carpe Diem, que me trouxe à tua porta numa tentativa desesperada de recuperar uma vida, que já não me pertence.
Uma alma que agarro junto ao peito, onde protejo com a vida tudo aquilo que sou, numa alma que pode parecer tão desumana, quanto invisível, mas que me aquece nos dias frios, de solidão e que me preenchem o corpo de expressões e de emoções, que no final podem ser construções ou destruições.

Escrito por Tânia Traquino e Carlos Barros ,dedicado (as always) ao nosso amigo Miguel M.. Este é o post it PLATINA, o mais sério dos menos sérios de todos os textos.

Apeteceu-me

6 comentários:

Moon* disse...

Ohhhh Carlos, pensei que fosses mais sensato e conseguisses arranjar uma parceira de post it à tua altura. Com essa baixinha não vais a lado nenhum... essa inculta e insana, que já por diversas vezes fugiu do hospital psiquiátrico... tem uma perturbação, não se sabe bem onde, mas que a tem... enfim... TEM!
Só te posso desejar boa sorte. Quem sabe quando a deixares... consigas atingir o Olimpo... com a ajuda da Dolores, a senhora das limpezas. ;)
(gud laque) ihihihi

Livia disse...

Muito bom o texto...
Beijos

A disse...

["Achas a pintura de Pollock estóica?"

"Eu odeio o passivismo, no entanto sou passivo por excelência"

"Será que podem haver artistas passivos?"

"Será que alguma vez sabemos o que estamos a fazer?"

"Porque escreveste esse texto com essas palvras?,Sentiste decidires-te? Eu duvido..."

"Porque quando escreves ou pintas ou compões melodias, não sabes o que fazes, mas fazes e tudo feito está coerente (?), parece que pensast em tudo..."

"Pensaste?"]


Tive saudades! Fica bem! :)

Carlos Barros disse...

"A" andava interrogado sem saber onde andavas, tive saudades tua pah apesar dos teu (não interessa) aninhos, adoro as tuas opniões, como sabes estes post it, representam o "no sense" o nosso meu e da Tânia...

Å®t_Øf_£övë disse...

Muito bom este texto,ainda para mais com dedicatória.
Boa semana.
Abraço.

Moon* disse...

Representam o no sense... os post it...
Representam? O no sense?
Talvez representem... mas afinal o que é o no sense, nos dias que correm?
Perco-me numa gota de orvalho...perco-me no primeiro paspalho, ou será no segundo?
No terceiro não é certamente, e o quarto não canta assim.
As pancadas pegam-se e às vezes fazem nódoas negras. :)
kiss kiss