terça-feira, maio 31, 2005

PINTURA (PAZ)

Fotografia tUa


(...) Sentia-se cansado, sua vida parecia um carrocel.Andava a uma velocidade alucinante cheia de altos e baixos ao som de musica comercial, muito foleira.
Estava prestes a cometer uma loucura, uma daquelas loucuras que não lembra ao diabo.
A sua cabeça, os seu pensamentos só pensavam em paz, em descanso e numa vontade quase alucinate de se sentir calmo.
Aquele parecia um dia perfeito, se não perfeito quase perfeito, com um ritmo próximo do seu pensamento, para cometer o seu acto de loucura, o seu disparate, a sua forma de se deixar, de deixar de ficar aborrecido.
Não entendia ainda muito bem o porquê do despertar de todas aquelas emoções, daqueles perfeitos disparates que pairavam ali próximo do seu esprectro.
Apetecia-lhe muito ter calma, paz, sossego de espirito, serenidade, essas coisas que por vezes acontecem.
Sabia que isso podia acontecer ali, ali era o sitio onde tudo isso podia ser atingido.
E ali estava ele a olhar para o Mar, estava calmo... o Mar e ele também, estava verde claro, o vento soprava fraco, um tudo nada mais que uma ligeira brisa, o céu estava limpo, ao longe viam-se gaivotas, sinal de embarcações de pesca por ali. Havia um silêncio quase fantástico e curioso... estava sózinho na praia, sozinho não.. conseguia ver um cão de grande porte, com um pelo enorme mas muito bem tratado, acastanhado claro, um pelo muito brilhante, corria e pulava atrás de uns estranhos carangueijos, que pareciam submarinos,mas com muitas pernas, ali bem perto podia ver aos saltos uns animaizinhos pequeninos, quase transparentes aos saltos, eram umas pulgas do Mar, umas... é uma maneira de dizer, uns milhares.
A boca estava seca, podia-se ver aquela crosta esbranquiçada nos cantos dos lábios, podia traduzir algum nervosismo, mas aparentemente estava tranquilo, podia ser sede mesmo, a sede de chegar onde queria. Despiu a sua t-shirt, pode ver-se o seu tronco, um pouco anafado, mas contornado, de linhas quase perfeitas, ou da perfeição que não andava por ali, mas quase. Retirou, ou por outra atirou literalmente os chinelos dos pés para o horizonte que ficava ali mais próximo, visto que atigiram uma altura consideravel, mas acabaram por aterrar ali bem perto.
Meteu os dedos entre os cabelos, depois cruzou os braços a volta do pescoço como se estivesse a abraçar-se, e começou a andar em direcção a água, lá bem perto começou a correr, mergulhou, e mal chegou com a cabeça fora de água começou a dar braçadas fortes, quando se sentiu com água bem profunda, deixou de dar aos braços, ficou ali uns segundos, respirou várias vezes fundo, depois abriu os braços deixou de dar às pernas e deixou-se afundar, o seu cabelo parecia uma planta marinha, enquanto o seu corpo ia descendo, os seus olhos estavam como o seu espirito a esvaziar-se, os seus pulmões iam ficando cada vez mais vazios, mas o seu semblante era de felicidade. Há sua volta, peixes de todas as cores e espécies, pareciam ignorar, o que estava por ali a acontecer, passavam rápido e em combinações ziguezaguiantes, lá em baixo escondidas no meio de rochas algumas anémonas, e outros animaizinhos, esquisitos.



Lá estava ele a procura, da paz de espirito e provavelmente de outras paragens, de outros mundos, de outras ilusões já que aqui neste, neste mundo, as coisas não lhe corriam de feição. Ele ali estava a ver tudo claro, o seu amor perdido, apesar de ser o seu unico e primeiro amor, mas a desilusão era enorme parecia que vinha acopulada com muitos e antigos amores, e ali estava ele prestes a ficar sem ar, a água começava a inundar-lhe os pulmões, o cerebro começava a ficar sem oxigénio e foi ai....
Foi ai que ouviu um berro da sua mãe para sair do banho, eram horas de ir para a escola.


Apeteceu-me

"Quem melhor que eu para me pintar por dentro!!" Charles de la Folie

38 comentários:

~serena. disse...

o.O
Hã.. Interessante... =|
*Sem palavras*
Não esperava pel ofinal. Realmente surpreendente! ^^
Mas gostei do penúltimo parágrafo, logo abaixo da imagem dos peixes (álias, muito linda)... *_*

Betty Branco Martins disse...

Adorei a tua "Pintura" cheias de pinceladas surrealistas e o final, do melhor!!!

Um beijo

A. Duarte e Lázaro disse...

Lol.
Estava eu tão intensamente envolvida neste teu texto quando o grito da mãe me desperta! Bolas... tinha que gritar logo ali?
Sempre surpreendentes os teus textos.
O que mais me surpreendeu foi mesmo o facto de um texto tão triste, tão cheio de cansaço, de desilusão, de desespero, me estava a dar tanta paz. A fuga para um mundo melhor (não necessariamente o paraíso com as centenas de virgens sempre dispostas para o sexo :p) estava a dar-me satisfação.
***

A. Duarte e Lázaro disse...

Uma vez que conheço o autor acho que será delicado da minha parte pedir-te autorização para postar o teu artigo de opinião "Axim, Xim", de NOvembro de 2004. Achei-lhe um piadão!

Vênus disse...

Carlos,
Novidades por aquinão é? a foto linda, musica nova e o texto Ah! adorei!Como já disseram o final surpreendente.
Bjs *.*

Fénix disse...

Gostei... e o final :D

Boa semana*

Iluvatar disse...

Interessante... uma pintura pintada com algo de extraordinário... fiquei deveras espantado com esta tua Républica, genial. o final do texto como todos já disseram tá simplesmente algo doutro mundo..
Abraço Pedro

p.s- ah e o Voando sobre um ninho de cucos, ainda não tive oportunidade de ver, mas sei que é uma grande falha, tenho de remediar isso...

UnaRagazza disse...

Fez-me lembrar aqueles filmes em que no fim tudo não passou de um sonho ou de uma ilusão, mas que no entanto, não deixou de parecer demasiado real...
De facto, quem melhor do que tu para te pintares por dentro...?...
*

O Micróbio disse...

Divagações num chuveiro... :-)

Rosie disse...

Raispartam os horários, estragam sp tudo!
*

bibi disse...

baba, pipinha, babucha, pipocas,
nha, nhecnhec
baaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

Anónimo disse...

Passei apenas para deixar um beijo doce
MissLadyMystery -> http://MundoDosSonhos.blogs.sapo.pt

Malae disse...

Kalan diak!

Caro Carlos!

Obrigada pela visita à minha Ilha! Um cantinho para falar do Amor por um povo distante!

Gostei muito de conhecer a tua républica! Fiquei com a certeza de que é bem melhor uma Républica dos Pessegos do que uma das Bananas! ehehehe

Voltarei sempre que possivel! Espero que possas continuar a visitar o meu cantinho.

Beijinhos grandes.

Malae************

Micas disse...

Deixei-me envolver por esta tua pintura e pela música (como eu gosto dos Cure), agora o grito da mãe até me assustou no final...mauzinho...isso não se faz ;)))

Manoel Carlos disse...

Ri muito!
Você é useiro e vezeiro em criar um clima de suspense e nos surpreender com desfechos inesperados, desta vez cômico.
Muito boa a viagem na imaginação infantil.

A. Duarte e Lázaro disse...

LoooooooooL!
Só agora reparei ali no pasquim... jeitosas, jeitosas... aquilo é que é material de qualidade... lolollol

bibi disse...

lalalalalalallalalalalallalalalalallallalalalal

JPD disse...

Olá Carlos!

A estória está boa.
Até certo ponto pensei que se trataria de um sonho e que, das duas uma: ou seria interrompido pelo despertador, ou por efeito da apneia excessivamente prolongada.
Quando passei a foto e o teu protagonista foi acordado no banho então estava encontrada a frieza das manhãs do nosso querido quotidiano: sobressaltos contínuos pelos estafados cumprimentos de horários.
Um abração.

bibi disse...

lalalalalalalalal
olé, olé
lalalalal
olé, olé
lalla
ole

gina brejnev disse...

kamarada carlos jose
este é um texto indigno de um kamarada de luta. o comité xolokov detectou marcas nitidamente reaccionárias. um kamarada de luta não toma banho de imersão. a água é um bem escasso, não pode ser desperdiçada por nenhum camarada megalómano e dado às luxurias capitalistas. e nenhuma mãe manda um filho aos gritos para a escola.
essa função, a de gritar, é exclusiva do comité xolokov, quando se depara com traidores da revolução.
kamaradas terá que fazer um pedido público de desculpas por se deixar seduzir pelos hábitos corruptos dos nossos inimigos capitalistas

Carlos Barros disse...

mas quem disse que o banho era de imersão? não peço desculpas por isso.. a culpa não é minha é da minha companheira capitalista... a minha ivaginação que é muito fertil...e isso não me levam, fiquem com os anéis... mas cuidado com a aliaça..

Iraque - unita

gina brejnev disse...

kamaradas não usam aneis. kamaradas não têm companheiras. têm kamaradas. kamaradas não perdem tempo a imaginar. kamaradas não usam aliança.
unita não é kamarada. iraque não é kamarada. unita não é do iraque.
kamarada, se tem aneis ou alianças deve entregá-los ao comité xolokov, para que este possa trocá-los por g3, g7, molotov ou molotofes.
kamarada, o comité não admite traições à luta do proletariado do rato e das teclas

Carlos Barros disse...

kamarada percebo a sua preocupação, mas penso que isso já é passado.
tenho também algumas, medalhas ganhas ao komité central a jogar a sueca. e se precisar tenho também uma cabeleira e um capachinho mas isso é mais para o inapto.

gina brejnev disse...

kamarada. terá que passar pela sibéria.
como se atreve a insultar o komité? o komité não joga à sueca.
o kamarada está a trair a acção revolucionária em curso para a criação do Homem Novo.
KAMARADA, SIBÉRIA PARA SE TORNAR DIGNO DO MOVIMENTO CULTURAL.
o inapto está ao serviço da revolução. cabeleiras e capachinhos são apetrechos dos traidores capitalistas

Carlos Barros disse...

Gosto da sibéria é um optimo ponto de encontro com velhas tradiões culturais .. os maiores fosseis da cultura soviética estão lá é o melhor sitio para a criptogenisação... um dia a vingança será fatal para o komité que os menosprezou.

gina brejnev disse...

ainda bem que lhe agradam as férias kamarada. espero que regresse, se sobreviver, um Homem Novo

JG disse...

Também vou aprendendo muita coisa aqui. Mas ainda não vi o link para o meu blog. Eu já lá tenho o teu. Vá lá! Não custa nada dar uma alegriazinha a um pobre piqueno!

Cris disse...

Olá, Carlos
Não, ainda n me esqueci do teu nome... nem deste lugar que me encanta.
Venho... venho cá sempre. Não tenho comentado?... pois não, pq me tem faltado o tempo. Mas continuo a adorar ler-te...

Desta vez já estava a imaginar todas as tragédias q podiam ter motivado tão tétrico desfecho, quando a desgraçada da mãe me pregou um daqueles sustos q quem ia morrendo era eu...

Ai, que ainda tenho os pulmões vazios... :)

Beijinho grande

Emilia disse...

Olá Carlos, bom dia!
Estou aqui para agradecer, em nome dos pequenotes e menos pequenotes netescritores, a visita que nos fez e as palavras que nos deixou.
Um abraço,
Emília.

moolightgirl disse...

Bela pintura que pintaste num quadro de palavras em q visualizamos imagens.. beijoca

Dani disse...

"A sua cabeça, os seu pensamentos só pensavam em paz, em descanso e numa vontade quase alucinate de se sentir calmo."

Texto muito interessante, muito mesmo. A paz, a calma, a sobriedade q buscamos... E o quanto nos perdemos do óbvio nesta vida... Muito bom!

TMara disse...

a criança k pensa como um homem e como ele busca paz interior. a surpresa no final. Bem orquestrado. Bjs e;)

Anónimo disse...

Abençoada Mãe!
Uff! que alívio.
Inês

A. Duarte e Lázaro disse...

Volto constantemente só para ouvir a música eheheh...
Faz-me lembrar paixões de verão...
Aquelas noites loooooooooongas...

Mas, anda lá, põe aqui mais um texto.

Hrrada disse...

lol
Trocaste-me as voltas todas :S

Grande momento ;)

*

lique disse...

É a primeira vez que aqui venho. Partiste de uma ideia interessante e consegues um efeito surpresa final que torna o texto muito agradável. É uma desgraça que algo ou alguém nos acorde sempre dos nossos sonhos!
Bjs

H. disse...

história de encantar para crianças crescidas... :) gostei!

Encantei-me sobretudo com esta passagem: "Lá estava ele a procura, da paz de espirito e provavelmente de outras paragens, de outros mundos, de outras ilusões já que aqui neste, neste mundo, as coisas não lhe corriam de feição. Ele ali estava a ver tudo claro, o seu amor perdido, apesar de ser o seu unico e primeiro amor, mas a desilusão era enorme parecia que vinha acopulada com muitos e antigos amores, e ali estava ele prestes a ficar sem ar, a água começava a inundar-lhe os pulmões, o cerebro começava a ficar sem oxigénio e foi ai...."

bela escrita!

:)

Mia disse...

Linda República ;)