segunda-feira, janeiro 10, 2005

Cobardia (mas não só)

São pequenos pormenores que nos fazem grandes, Eu disse pormenores, não perus menores, esses são perus com menos de 18 anos, por consequência pequenos.
Eu estou a tentar escrever algo, mas não sei bem o quê.
O que eu tento dizer, é que não é por se ter mais de 18 anos que se é maior, faz-se anos e como por artes magicas, começamos a ter dignidade, a sermos mais cuidadosos, mais conscientes, mais elevação, mais moral, não, não é por artes magicas, essas coisas aprendem-se ao longo da vida, eu com 40 aninhos ( eu sei que não parece, estou muito bem conservado em formol ) , estou todos os dias a aprender, a ser mais digno, mais, tudo o que acabei de dizer.
Ainda hoje aprendi a controlar-me, a ter mais uma medida de autocontrole, quando o meu filho,de 5 anos chegou a casa com um pequeno arranhão por cima do olho e me explicou que 3 miúdos o agarraram e lhe bateram.
A minha primeira reacção foi dizer-lhe apanhas um a um de costas e dás-lhe com um pau ou com uma pedra, mas parei para pensar e achei que estava a ensinar ao miúdo a ser cobarde, a não enfrentar as coisas de frente, então disse-lhe, o pau é para manteres, mas dás-lhe de frente, não foi bem assim, mas fica a imagem.
Mas a ideia, é que aquilo que se vai aprendendo vai ficando connosco, não aparece do nada, não cai do céu aos trambolhões, é a nossa mais valia.
A verdade é que antigamente víamos as pessoas, a entrar nos elevadores tiravam o chapéu, diziam bom dia, boa tarde ou boa noite na rua cumprimentavam-se e esses valores parecem perdidos para sempre se não se parar para pensar, a agressividade da publicidade que incita a compra a qualquer preço dos mais variados produtos, também não ajuda a encontrar valores morais.
Basta entrar na escola primaria do meu filho e ver miúdos de 6 anos, digo e repito, miúdos de 6 anos de telemóvel, acreditem que se eu mandasse o telemóvel só poderia ser usado e vendido a maiores de 18 anos, e teriam de tirar a carta de uso de telemóvel, acham que uma criança deve ter telemóvel ?
Para quê, para os paizinhos controlarem os filhinhos a distancia?
Não tem tempo para eles então controlam-nos a partir das novas tecnologias, um dia deste, saem da MAC (maternidade Alfredo da Costa) já com um camera incorporada.
(moral da história a consciência e a moral podem ser herdadas, mas se não houver esforço duvido que alguma vez isso apareça )

Apeteceu-me

2 comentários:

Moon* disse...

Se eu tivesse um filho e ele chegasse a casa com um arranhão, feito por três putos...
Ai, ai , ai...eu nem sei...acho que me roía toda...pensava bem...não, não pensava...saía!... Isso!... Saía e ía à escola à procura desses três malfadados putos e...e...bem...acho que lhes batia...virava-os de pernas para o ar e fazia-os cantar uma música do Toy, de trás para frente e traduzida para inglês, à frente dos coleguinhas todos.
Era isso mesmo!
Depois comprava-lhe um telemóvel ou uma espada de Jedi, assim ou ele me chamava quando precisasse de ajuda ou defendia-se, à boa moda dos filmes.
Essa história da câmara incorporada, não é mau pensado, se fôr aplicável em namorados ou maridos, é mesmo uma ideia genial.

LetrasAoAcaso disse...

Estou de acordo contigo.
Abração