quarta-feira, janeiro 19, 2005

Pancada VII

(..)Ás vezes via mesmo filmes de mais, não sabia se o que sentia por ele era amor ou ódio, ele deve pensar que eu serei ou sou aquela parvinha, que no dia, que ele foi contar aquelas historias para a escola, onde reuniu meio mundo, para contar aquelas alarvidades, sobre mim, ainda um dia gostava de perceber o que realmente se passou naquela cabeça, não sei se isso vai acontecer algum dia.
Aquelas palavras ecoam-me ainda na minha humilde cabecinha :

- (...) Sabem malta ?! Ontem estive com a Palmira.
- OHHH ,então (em coro)
- Nem sabem o que aconteceu?
- Conta (em coro)
- Estive com a Palmira, e!!!
- Foi?! E? (em coro)
- Nus
- Nus ?! (em coro)
- (...) Vieste-te ?!(em coro)
- Sim vim a pé , como é normal, o meu pai tem o carro na oficina
- (riso geral) ahah manganão, conta lá não disfarces (diz o mais esclarecido)
Sim ,sim pois claro e depois ,sabem foi sempre a abrir.
- E a Palmira? (pergunta geral) (...)

Aquela conversa para mim foi tão absurda, que eu aida hoje tento perceber o tipo, tento mas não consigo é obvio que eu naquela altura, até que demorava a carburar, a pensar no assunto, realmente a perceber o que acabava de ser dito ali, fartei-me de gozar o pagode, tipo cá de trás da multidão, e se era uma multidão era mesmo muita gente, então quando o assunto era uma menina nem queiram saber!!
Eles, para saberem pormenores elas para poderem ter trunfos contra a concorrência, ali valia tudo, aliás se há sitio competitivo para o qual nós não estamos preparadas é o Secundário, eu vi-me aflita, mas sobrevivi, pelo menos da fama daquele energúmeno não me safei, mas naquela tarde e perante aquela assembleia, eu mandei uma bocas valentes:


- Então Garanhão a gaja (cá de trás, escondida em tom provocador)
- era perfeita umas mão magnificas
- Porquê és manicura arranjaste-lhe as unhas?
- Pois,pois.. (de quem não tem resposta e com sorriso amarelo)
- E descobriste-lhe o ponto G ? (esta era para matar, ainda hoje me rio da resposta dele)
- sim, sim , estava difícil, de o tirar, mas consegui
aqueles cintos da Gucci são mesmo difíceis, mas tem
aquele pontinho em cima do « G » (ali e acolá ouviram-se umas gargalhadas estridentes, claro só mesmo alguma miúdas perceberam a pergunta e entenderam a cretinice e imbecilidade da resposta)
- tocaste-lhe o clitóris ? (esta ainda foi mais maldosa)
- sim toquei, ainda tentei tocar Led Zeppling , mas ela odeia musica pesada
- tentasses uma mais levezinha.
- pois mas eu só tenho olhos para a Palmira.

Já não me lembro bem do resto, sei que me ri, que chorei a rir,acho que me mijei a rir e que andei muito divertida o resto da tarde, mas depois comecei a sentir aqueles olhares, de , como explicar, um misto de desaprovação e de heroina, mas também um misto de desenvergonhada com tarada sexual, e comecei a tomar as proporções da coisa, já era mesmo a coisa publica e começou a remoer a remoer, uma moinha na minha cabeça, a cólera e a raiva começavam a tomar conta de mim, numa rapariga de 14 anitos, imaginem, eu tinha os meus defeitos, era traquina, mas tinha alguma consciência, e aquilo começou-me a cair muito mal.
Ia para casa, não como sempre evitei ir com o Pilitas e
com o Vasco e ia a matutar como me havia de vingar.
Pensei em quase tudo até empurra-lo do alto do nosso
prédio, mas coitadas das pedras das calçadas.
Ao virar a esquina vi lá ao fundo a conversar, o Pilitas e o Vasco eles estavam de costa para a entrada do prédio, eu achei que era aquele o momento mas não me lembrava de nada, então ali antes do prédio tinha uma loja de electrodomésticos, que era do Tio do Pilitas, ali na zona da porta tinha uma pequena exposição a única coisa que se pegou a minha mão que tivesse uma boa base de lançamento, era uma daquelas panelas de pressão com uma pega grande tipo frigideira, escapuli-me para dentro do prédio quando eles entraram só me lembro, que ainda travei a tempo o meu ímpeto, porque se não teria sido a minha desgraça, travei a tempo salvo seja a carrapeta em ferro com o balanço saltou, e pimba 6 pontos do toutiço, apartir desse dia conversas com ele nunca mais, mas (...)


Apeteceu-me


3 comentários:

M. disse...

ARRRRGHHHHHHHH (nem sei porque leio até ao fim... ) Desculpa Carlos! (podes apagar se quiseres) :)

Carlos Barros disse...

Boa,boa consegui que alguem dissesse mal...boa, boa já me julgava um Saramago, ali da Caparica...hehehhe
M. juro que o teu suplicio vai terminar..
abraço
CB

Carlos Barros disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.