quinta-feira, janeiro 13, 2005

O meu AMIGO invisível

Quem me conhece, sabe perfeitamente que costumo perguntar aos meus amigos mais chegados (e autorizados ), porque me odeiam, ás vezes é mecânico como era mecânico perguntar as minhas amigas, se me amam, mas há muito que não faço essa pergunta.
Mas, hoje re-descobri o meu amiguinho mais antigo e mais fiel, é curioso que não envelhece, continua com aquela cara jovem, covinhas nas bochechas , cabelo claro espetado, olhos sem cor, ou com muita sempre a brilhar.
Curioso não me lembro de ele Ter corpo, não me lembro do meu amiguinho Ter corpo, nem nome, mas não faz mal fiquei tão feliz, de o ver, que fiz uma festa, fiz muitas festas.
Perguntei-lhe por onde tem andado, olhou para mim fixou-me os olhos, sorriu, e disse-me :

- Por ai, pelos lugares que tu conheces, tenho andado a guardar-te tudo o que conquistaste, tudo o que é teu, tudo o que sempre quiseste, pequenas coisas que te faziam feliz, muito feliz, lembras-te dessas pequenas coisas?

Olhei, para aqueles olhos quentes e brilhantes, aquele brilho próprio de quem é puro, de quem só tem, imagens boas dentro de si, e quis saber que lugares são esses que eu não me lembro.
E ai o meu amigo sorriu, e disse-me :

- Os lugares do sonho, esqueceste-te quem eu sou, como me chamo?


E ai lembrei-me que nunca mais tinha lido o « Principezinho » de Saint Exupery, de Antoine Saint Exupery.
Porque ninguém escapa ao sonho, ao sonho de voar, de ultrapassar os limites, de ver novos lugares e novas gentes.
Mas saber ver em cada coisa, em cada pessoa, em cada espaço, em cada lugar, aquele algo que a define como especial, um amigo .
Não se pode esquecer, e é sempre preciso reconhecer o valor das coisas e das pessoas.


Apeteceu-me



4 comentários:

Moon* disse...

Ainda acreditas em histórias de principezinhos?
Bem...eu já não acredito, mas acredito nos amigos.
Amigos invisíveis, tenho alguns, nomeadamente, alguns *Jovens* que moram num "sítio".com.
Surpreendentemente, apesar de ligeiramente invisíveis, sei que estão sempre presentes e fazem tudo, para que não me esqueça disso.
Reconheço o valor de todos eles e principalmente o valor da Vida e acho que todos deveriam fazer o mesmo.

; )

Carlos Barros disse...

Moon, tu tens o dom de me surprender, antes esse dom que um dom Ruan qualquer, em que os Cavaleiros do *sitio.com* tivessem de fazer uma cruzada,para efusivamente bebermos um copo todos junto,hihihih

apeteceu-me Claro

Anónimo disse...

«É tão triste esquecermo-nos de um amigo! Nem toda a gente teve um amigo na vida...» (Saint-Exupéry)
E é assim que o Principezinho, com toda a sua magia e inocência, se tranformou numa das grandes referência da minha vida!!!

Para ti, Carlos, mais uma vez os meus Parabéns pelo magnifico "cantinho" que criaste!!

Lourenço disse...

Estive a visitar o teu blog e resolvi deixar-te umas linhas...
E tinha de comentar o "Principezinho", livro de que gosto muito e descobri através de um amigo, à vários anos atrás..
Uma das minhas passagens preferidas é a da raposa, tão encantadora...
Um abraço e até breve :)