quinta-feira, janeiro 06, 2005

Pancada ll

(...)A historia é rápida foi uma vez num churrasco brasileiro num rodízio, ou lá como chamam eu provei a caipirinha.
( bebida feita com lima, cortada às rodelas ou macerado, açúcar, gelo picado e cachaça, muita de preferencia )
Os rapazes traziam carne a força toda mas eu depois de provar aquela dadiva dos céus, parecia que o mundo ia acabar e bebi o mais possível, a primeira vez que fui a casa de banho, ainda me lembro.
Aliás, só me lembro dessa vez as outras contaram-me, que olhei para o espelho e ria-me que nem uma louca, e falava comigo própria ao espelho, tipo a madrasta da branca de neve só que para mim os espelhos metem muito.
Figuras, pois figuras tristes, muito tristes, isto tudo para dizer que fiquei em coma etílico, por outras palavras com uma bebedeira monumental.
É ai entra a garrafinha milagrosa deram-me daquilo e pareciam que me tinham dado um choque, daqueles dos filmes com um desfibrilhador são duas coisinhas que se esfregam uma na outra que parecem dois ferros de passar a roupa, e depois espetam com aquilo no peito, e tu dás saltos que pareces o cão do Pilitas, por falar em cão do Pilitas o que é feito do Cão Guru ?
Continuando a minha experiencia da garrafinha milagrosa, abri os olhos de uma maneira que no outro dia parecia que tinha uma distensão muscular na pálpebra, simplesmente maravilhoso .
Sempre que havia alguém conhecido que fosse ao Brasil, não mandava um bilhete postil mas pedia sempre para me comprar as benditas garafinhas de extracto de guaraná .
A caipirinha, essa enjoei-a de uma forma que nunca mais bebi, a não ser uma Caipiroskas, com Vodkra, ou Caipirissimas com Tequilla, o que me irritava muito, porque a caipirinha lembro-me e contaram-me depois que estive, e estava sempre alegre, porque sou um bocado maníaca ou depressiva, e passo logo a fase do choro, por causa daquele filho de um comboio de melancias do Vasco.
Mas mesmo assim sentia-me terrível, parecia que tinha acabado de ser atropelada por um comboio, só espero mesmo que haja aqui em casa alguma coisa milagrosa .
Faço votos para que exista.
Eu sabia que tinha de atingir a cozinha, eu sabia, quais as coordenadas, para lá chegar, da minha cama até a cozinha eram 7 passos, abrir porta do quarto virar a esquerda 12 passos virar a direita abrir a porta, dois passos, rodar a minha direita , esticar o braço e vasculhar a cestinha que está em cima do micro ondas e encontrar o remédio milagroso, se for para chamar o gregório em vez dos 12 passos, são só 6 virar a direita, mais quatro passos, ajoelhar, puxar o tampo para cima e gritar por ele até a exaustão .
Mas hoje até que a coisa estava a correr bem, andava tudo a roda, mas nada de muito complicado, ,mas o pior era, sair da cama , tinha de ser de uma só vez, rodar o rabo, tipo Break Dance meter os pés no chão apoiar as mãos nos joelhos e upa para cima, o pior é que as pernas vão bambolear, já estava a ver o filme, e que filme, bom o melhor era passar a acção, 1, 2, 3 e ......
Pois era tudo fácil, mas aconteceu aquilo que se chama o efeito sempre em pé mas, em versão deitado, eu era a sempre deitada, e sabia, tinha a certeza que me tinha de levantar e que era um dia importante para mim, muito importante mesmo, bom, naquela altura precisava mesmo de duas coisas de relaxar, e de que aquela pancada me passasse, então continuei deitada e fiz uma coisa que adorava, como estava um silencio sepulcral,(estas coisas não se devem dizer, mas eu digo tudo como os malucos, por isso é que pensam que eu sou uma rapariga, meio esquisita)(...)


Apeteceu-me

1 comentário:

deSaraComAmor disse...

Olha que a tua pancada ainda assim acabou em bem...
Silêncio e ...intimidade, chamemos-lhe assim. Gosto da tua personagem feminina, ainda em fase de experimentação (de caipirinhas...) O estilo é solto em forma de espiral - e ela uma estrela vertiginosa. Passei por cá e apeteceu-me. Beijinhos.